Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/17849
Title: Fazer o bem sem ver a quem?Visibilidades e invisibilidades discursivas na doação de medicamentos para doenças negligenciadas
Authors: Cordeiro, Raquel Aguiar
Advisor: Araujo, Inesita Soares de
Members of the board: Araujo, Inesita Soares de
Almeida, Carla da Silva
Morel, Carlos Medicis
Nunes, João Arriscado
Oliveira, Valdir de Castro
Affilliation: Fundação Oswaldo Cruz. Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde. Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Abstract: esumo: Responsáveis por afetar um sexto da população mundial, as doenças negligenciadas são marcadas por um ciclo vicioso em relação à pobreza. Resultantes de uma pluralidade de determinações sociais, têm como um dos principais protocolos de enfrentamento na atualidade, preconizado pela Organização Mundial da Saúde, as doações de medicamentos efetuadas por empresas transnacionais. O Brasil é um dos destinatários destas doações de medicamentos. Tendo o campo da Comunicação e Saúde como referência, investigamos a abordagem conferida ao tema no Brasil, a partir da análise dos discursos de dois enunciadores: as empresas farmacêuticas e o governo brasileiro. Escolhemos observar as seis doenças incluídas no \201CPlano Integrado de Ações Estratégicas de Eliminação da Hanseníase, Filariose, Esquistossomose e Oncocercose como Problema de Saúde Pública, Tracoma como Causa de Cegueira e Controle das Geohelmintíases: Plano de Ação 2011-2015 do Ministério da Saúde\201D. Entre as seis endemias incluídas no documento, o Brasil recebe doações destinadas a geohelmintíases, hanseníase e oncocercose, com previsão de receber também doações para filariose linfática. No que se refere às empresas, foram analisadas as versões brasileiras dos websites das farmacêuticas que efetuam doações globais de medicamentos para as seis doenças incluídas no Plano Integrado: Eisai, GlaxoSmithKline, Merck & Co. Inc., Merck KGaA, Novartis e Pfizer. No que diz respeito aos enunciados do governo, foi analisado um conjunto de textos, incluindo o Plano Integrado, páginas institucionais do website do Ministério da Saúde, notícias publicadas entre 2008 e 2015 no website do Ministério da Saúde e informes técnicos e peças de comunicação relacionados às campanhas combinadas do Ministério da Saúde sobre hanseníase, geohelmintíases, esquistossomose e tracoma nas edições de 2013, 2014 e 2015 Foram adotados os preceitos de análise de discursos de Eliseo Verón e Milton Pinto, bem como o conceito de silêncio discursivo, de Eni Orlandi. As análises apontam que predomina o silêncio sobre a doação de medicamentos para doenças negligenciadas nos enunciados produzidos e circulados pelo governo, o que é convergente em relação a uma política de fortalecimento da produção nacional de medicamentos. Já em relação às empresas farmacêuticas, observamos diferentes intensidades de visibilidade discursiva. Como um traço em comum, nos dois enunciadores foi observada forte valorização da abordagem das doenças via medicalização, em detrimento da abordagem por meio dos aspectos sociais. Considerando que os discursos refletem e ao mesmo tempo constroem a realidade, as abordagens observadas nos dois enunciadores intensificam o negligenciamento relacionado às doenças na medida em que, do ponto de vista discursivo, contribuem para a manutenção das condições sociais que são perpetuadoras dos agravos. Os resultados também sugerem repensar o conceito de biopoder, incorporando o componente privado na dinâmica \201Cpopulação \2013 processos biológicos \2013 mecanismos regulamentadores \2013 Estado\201D
Abstract: Abstract: Responsible for affecting one sixth of the world population, neglected diseases are caractherized by a vicious cycle with poverty. Resulting from a plurality of social determinations, neglected diseases have the donations of medicines made by transnational corporations as a major coping protocols today, recommended by the World Health Organization. Brazil is one of the recipients of donations of medicines. Having the field of Communication and Health as a reference, we investigated the approach given to the subject in Brazil, from the analysis of two talkers: pharmaceutical companies and the Brazilian government. We chose to observe the six diseases included in the \201CPlano Integrado de Ações Estratégicas de Eliminação da Hanseníase, Filariose, Esquistossomose e Oncocercose como Problema de Saúde Pública, Tracoma como Causa de Cegueira e Controle das Geohelmintíases: Plano de Ação 2011-2015 do Ministério da Saúde\201D, published by the Ministry of Health: leprosy, filariasis, schistosomiasis, onchocerciasis, trachoma and helminths transmitted by soil. Among the six endemic diseases included in the document, Brazil receives donations to helminths transmistted by soil, leprosy and onchocerciasis also with a prevision to start receiving donations for filariasis
DeCS: Comunicação em Saúde
Doenças Negligenciadas
Organização Mundial da Saúde
Política Nacional de Medicamentos
Produção de Produtos
Issue Date: 2016
Citation: CORDEIRO, R. A. Fazer o bem sem ver a quem? Visibilidades e invisibilidades discursivas na doação de medicamentos para doenças negligenciadas. 2016. 612f. Tese (Doutorado em Informação e Comunicação em Saúde) – Fundação Oswaldo Cruz, Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde, Rio de janeiro, RJ, 2016
Date of defense: 2016-05-24
Place of defense: Rio de Janeiro/RJ
Department: Pós-Graduação em Informação e Comunicação em Saúde
Defense institution: Fundação Oswaldo Cruz. Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde
Program: Programa de Pós-Graduação em Informação e Comunicação em Saúde
Copyright: open access
Appears in Collections:ICICT - PPGICS - Teses de Doutorado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
raquel_cordeiro_icict_dout_2016.pdf26.58 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.