Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/10002
Title: Atenção Primária e Hanseníase: desafios educacionais e assistenciais
Advisor: Modena, Celina Maria
Members of the board: Modena, Celina Maria
Schall, Virgínia Torres
Nogueira, Maria José
Figueiredo, Adriana Maria de
Carmo, Rose Ferraz
Authors: Savassi, Leonardo Cançado Monteiro
Affilliation: Fundação Oswaldo Cruz. Centro de Pesquisas René Rachou. Belo Horizonte, MG, Brasil.
Abstract: A hanseníase mantém-se um desafio dentro das políticas públicas brasileiras. O Brasil registra um número de casos ainda elevado, que faz do país o segundo em números absolutos e o primeiro em valores relativos no mundo. Ainda que consiga cumprir a meta assumida junto a Organização Mundial de Saúde, de menos de um caso para cada dez mil habitantes, o desafio de controlar a doença ainda persistirá. O número de casos novos em menores de quinze anos demonstra que o desafio é maior do que se supõe, já que há transmissão ativa, e, portanto pacientes ainda não diagnosticados. A Atenção Primária a Saúde (APS), embora responsável por grandes avanços, não foi capaz de resolver este problema específico de saúde, mesmo sendo o nível mais adequado de atenção e o que mais propriamente trabalha com ferramentas de educação na saúde. O objetivo deste trabalho foi avaliar a hanseníase como foco de ação da APS e da Educação em Saúde, sendo avaliadas tanto a atenção primária como estratégia de atenção quanto algumas estratégias educativas como meio de promoção e comunicação em saúde. Encontrou-se que a APS, ainda que seja o nível mais adequado para o cuidado, apresenta barreiras de acesso e de qualidade da atenção que fazem com que oportunidades de cuidado sejam desperdiçadas. Questões tais como ambiência, qualificação profissional, sobrecarga de trabalho e população excessiva de cobertura interferem diretamente no cuidado. Especificamente quanto a educação para hanseníase, os profissionais da APS não foram adequadamente qualificados durante a graduação, e os mecanismos de educação permanente não são capazes de modificar a prática clínica. Além disto, a forma como a Educação em Saúde é feita dentro das políticas públicas mostrou-se ineficaz, contaminada ainda pelo estigma e pelas crenças concernentes a “lepra” e a dissociação da gravidade da doença com a nomenclatura “hanseníase”. Conclui-se que a abordagem da hanseníase passa necessariamente pela qualificação da atenção primária, pela redução do número de usuários por equipe, pela modificação das estratégias educativas e pela necessidade de adequar os currículos de graduação à casuística real das unidades de saúde, tanto em termos do contato direto com a doença hanseníase, quanto em relação ao uso adequado das ferramentas educacionais.
Abstract: Leprosy remains a challenge within Brazilian public policies. Brazil still registers a high number of cases, which keeps the country in the second place in absolute number of cases and first in relative values arround que World. Even if the country meet the target assumed with the World Health Organization, less than one case per ten thousand nhabitants, the challenge of controlling the disease will still remain. The number of new cases in children under fifteen years demonstrates that the challenge is greater than assumed, since there is active transmission, and so patients still undiagnosed. Primary Health Care (PHC), although responsible for major advances, was not able to solve this specific health problem, despite recognized as the most appropriate level of care and which more specifically works with health education tools. The objective of this work was to evaluate leprosy as a target for PHC and Health Education actions, and for this purpose both PHC and educational strategies as means of health promotion and communication were evaluated. It was found that PHC, although the most appropriate level for care, curses with barriers of access and quality that wastes health care opportunities. Issues such as ambiance, professional qualification, work overload and excessive population coverage directly interfere in care. Specifically regarding education for leprosy, PHC professionals were not properly qualified during undergraduation, and the mechanisms of continued education are not able to modify clinical practice. Moreover, the way health education is done within public policy was ineffective, still contaminated by stigma and beliefs concerning "leprosy" and dissociation of disease severity with the nomenclature "hanseniasis". We conclude that the approach to leprosy inevitably leds to the qualification of primary care by reducing the number of users per team, by modifying educational strategies and by the need to tailor the undergraduate curricula to the real scenario of health care units, both in terms of direct contact with the disease leprosy as in terms of the appropriate use of educational tools.
keywords: Hanseníase/terapia
Educação em Saúde/métodos
Atenção Primária à Saúde/organização & administração
Issue Date: 2013
Citation: SAVASSI, Leonardo Cançado Monteiro. Atenção Primária e Hanseníase: desafios educacionais e assistenciais. Belo Horizonte: s.n., 2013. 114 p. Tese(Doutorado em Ciências)-Centro de Pesquisas René Rachou. Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde. Belo Horizonte. 2013.
Date of defense: 2013
Place of defense: Belo Horizonte/MG
Defense institution: Fundação Oswaldo Cruz. Centro de Pesquisas René Rachou
Program: Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde
Copyright: open access
Appears in Collections:MG - IRR - PPGCS - Teses de Doutorado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese_LeonardoCancadoMonteiroSavassi.pdf16.21 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.