Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/20591
Title: Cidadãs posithivas: ativismo e cuidado em saúde entre mulheres com HIV/AIDS, no Rio de Janeiro
Other Titles: Posithivas citizens: activism and health care for women with HIV / AIDS, in Rio de Janeiro
Advisor: Monteiro, Simone Souza
Authors: Cajado, Luciana Corrêa de Sena
Abstract: A quarta década da epidemia de aids revela inovações capazes de melhorar a qualidade de vida e prolongar a expectativa das pessoas diagnosticadas, a partir das conquistas biomédicas, sociais e políticas. Entretanto, continua havendo repercussões sociais danosas, na vida dos segmentos mais vulneráveis da população, como as mulheres, em função das desigualdades historicamente construídas, que repercutem nas estatísticas referentes à feminização da epidemia, na década de 2000. A história da epidemia de aids revela o papel das respostas da sociedade civil organizada nas ações de prevenção e controle do HIV e na conquista dos direitos das pessoas vivendo com HIV/aids. Tendo em vista esse cenário, esse estudo objetiva compreender como se dá o Cuidado em saúde e o convívio com o HIV entre oito mulheres soropositivas, integrantes do Movimento Nacional de Cidadãs Posithivas (MNCP). Por meio de análise documental, observação direta e entrevistas foram descritas a origem e as características do MNCP e analisadas as trajetórias de vida e a motivação das mulheres para integrar o movimento. Nesta direção, buscou-se examinar os desdobramentos da descoberta do HIV e da participação no movimento, na vida do grupo pesquisado, em relação à reconstrução de identidade, à (re)articulação das relações interpessoais e aos significados e ações voltados para o Cuidado da saúde e o convívio com o HIV. De acordo com os resultados, as trajetórias de vida revelam diferentes situações de vulnerabilidade social, em função das desigualdades sociais e de gênero. O diagnóstico do HIV, ocorrido majoritariamente na década de 1990, gera surpresa e questionamentos acerca das relações afetivo-sexuais, haja vista que a maioria foi infectada por parceiros estáveis e maridos. A entrada no movimento social resulta principalmente da necessidade de apoio social, pouco vivenciada na esfera do cuidado da assistência nos serviços. A participação no MNCP possibilita a reconstrução de identidade pós-diagnóstico das mulheres, mas há pouco engajamento em ações políticas do movimento. Não foram identificadas pautas do movimento feminista na temáticas abordadas pelo MNCP. Repensar em como transformar as práticas, em termos de apoio e participação política, nos movimentos, bem como a abordagem nos espaços de assistência, tendo como eixo central a compreensão dos processos de desigualdade social que atravessam as trajetórias desses atores sociais, aparecem como os principais desafios lançados por este estudo.
Abstract: The fourth decade of the aids epidemic reveals innovations capable of improving the quality of life and prolong the expectation of people diagnosed, from the biomedical, social and political achievements. However, it is still going on harmful social repercussions, in the lives of the most vulnerable segments of the population, such as women, according to the inequalities historically constructed, which resonate in the statistics concerning the feminization of the epidemic, in late 2000. The history of the aids epidemic reveals the role of organized civil society in the prevention and control of HIV and the conquest of the rights of people living with HIV/aids. In view of this scenario, this study aims to understand how health care and living with HIV among HIV+ women, eight members of the National Movement of Citizens Posithivas (MNCP). Through documentary analysis, direct observation and interviews were described the origin and characteristics of MNCP and analyzed the life trajectories and the motivation of women to join the movement. This way, sought to examine the ramifications of the discovery of HIV and participation in the movement in the life of the group searched in relation to the reconstruction of identity, (re) articulation of interpersonal relationships, meanings and actions focused on health care and living with HIV. According to the results, the life trajectories show different situations of social vulnerability, depending on the social and gender inequalities. The diagnosis of HIV occurred mainly in the 1990. It generates surprise and questions about sexual-affective relations, since most of them were infected with stable partners and husbands. The entry in the social movement is the result mainly of the need for social support, little experienced in the sphere of assistance care services. Participation in the reconstruction of identity MNCP allows the post-diagnosis of the women, but there is little engagement in political actions. There were not identified guidelines of the feminist movement in themes by MNCP. Rethink on how to transform the practices, in terms of support and political participation, in movements, as well as the approach in attendance, having as central axis the understanding of processes of social inequality that traverse the trajectories of these social actors, appears as one of the main challenges launched by this study.
DeCS: Infecções por HIV
Síndrome de Imunodeficiência Adquirida
Mulheres
Identidade de Gênero
Atenção Primária à Saúde
Issue Date: 2016
Citation: Cajado, Luciana Corrêa de Sena. Cidadãs posithivas: ativismo e cuidado em saúde entre mulheres com HIV/AIDS, no Rio de Janeiro. 2016. 178 f. Dissertação (Saúde Pública) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro, 2016.
Place of defense: Rio de Janeiro
Defense institution: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca
Appears in Collections:ENSP - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
76.pdf1.33 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.