Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/34786
Título: Colonização de mosquitos vetores de dengue em ambientes naturais no Rio de Janeiro
Orientador: Rocha, Nildimar Honório
Codeço, Claudia Torres
Autor(es): Câmara, Daniel Cardoso Portela
Afiliação: Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Resumo: Aedes aegypti (L.) é o principal vetor do dengue no Brasil e um dos mosquitos mais comuns encontrados em associação com o homem em diversos locais do mundo, especialmente nas Américas. No entanto, a invasão do Aedes albopictus (Skuse) fez com que esse mosquito também se tornasse bastante comum, coexistindo com o Ae. aegypti em muitas áreas. Ambos compartilham hábitos e possuem biologias semelhantes, competindo pelos mesmos criadouros. No Brasil, onde o dengue é alvo de enormes campanhas de saúde pública, faz-se necessário intensificar a vigilância entomológica desses vetores. Este trabalho verificou como se dá a colonização por culicídeos de criadouros artificiais dispostos em uma área de bosque urbano, sob a forma do monitoramento da produtividade de pupas. O trabalho foi realizado em uma área de cobertura vegetal, próxima a uma comunidade densamente povoada. Foram distribuídos, de maneira aleatória, 45 vasos de plástico escuros contendo 1 litro de água filtrada, os quais permaneceram 30 dias em campo, sem intervenção humana Recursos foram obtidos sob a forma de detritos que caíram naturalmente nos vasos, os quais permaneceram expostos à intervenção climática. Os vasos foram colonizados por quatro espécies de mosquitos: Ae. albopictus foi o mais abundante (524 pupas), seguido por Limatus durhamii (Theobald) (34 pupas), Ochlerotatus scapularis (Rondani) (30 pupas), enquanto Ae. aegypti foi o menos encontrado (4 pupas). A produtividade de pupas se manteve constante durante todo o período do estudo, e 9 dos 45 vasos foram colonizados por pelo menos duas espécies. Aedes albopictus ocorreu em 7 vasos com Li. durhamii, em 1 vaso com Oc. scapularis e em 1 vaso com Li. durhamii e Oc. scapularis. Também se observou um comportamento incomum de Oc. scapularis em colonizar recipientes artificiais. Os resultados apontam para a importância de manter vigilância em áreas naturais, uma vez que a produtividade de pupas de mosquitos de importância sanitária nesses locais pode passar despercebida pelas autoridades de saúde.
Palavras-chave: Aedes
Pupa
Culicidae
Data do documento: 2014
Referência: CÂMARA, Daniel Cardoso Portela. Colonização de mosquitos vetores de dengue em ambientes naturais no Rio de Janeiro. 2014. 55 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Entomologia Médica)-Instituto Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2014.
Data de defesa: 2014
Local de defesa: Rio de Janeiro
Departamento: Instituto Oswaldo Cruz
Instituição de defesa: Fundação Oswaldo Cruz
Programa: Programa de Pós-Graduação em Entomologia Médica
Direito autoral: open access
Aparece nas coleções:IOC - Trabalhos de Conclusão de Curso

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
daniel_camara_ioc_espec_2014.pdf1.87 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir



FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

O uso do material disponibilizado neste repositório deve ser feito de acordo e dentro dos limites autorizados pelos Termos de Uso.