Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/9310
Title: Evolução clínica dos casos de esporotricose felina diagnosticados no Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas (IPEC)/Fiocruz no período de 1998 a 2005
Advisor: Barros, Mônica Bastos de Lima
Pacheco, Tânia Maria Valente
Authors: Chaves, Adriana da Roza
Affilliation: Fundação Oswaldo Cruz. Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Abstract: O presente estudo descreve a evolução clínica dos gatos com esporotricose diagnosticados no Laboratório de Pesquisa Clínica em Dermatozoonoses em Animais Domésticos (Lapclin-Dermzoo) do Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas (IPEC)/Fiocruz, no período de 1998 a 2005. Foram revisados 1822 prontuários médicos. Novecentos gatos abandonaram o acompanhamento após o diagnóstico ou durante o tratamento. Quatrocentos e vinte e nove evoluíram para o óbito. Do total da casuística foi possível o contato telefônico com 328 (18%) proprietários. Compareceram para reavaliação 73 (22,4%;n=328) animais. Em dez (28,5%) gatos foi isolado S. schenckii através de swab de lesão, em sete (20%) swab da cavidade nasal, dois (5,7%) através de swab nasal, oral e de lesão, em dois (5,7%) por meio de biópsia e em 14 (40%) o diagnóstico foi clínico. Trinta e cinco (47,9%) gatos apresentaram ao menos uma lesão ao exame clínico. A reativação das lesões foi mais freqüente em gatos com sinais e sintomas respiratórios no momento do diagnóstico de esporotricose. Três casos reavaliados apresentaram reativação das lesões de 6 a 7 anos após a cura inicial Do total de gatos que tiveram o tratamento abandonado, foi possível o contato com os proprietários de 147 (20,9%). Foi observado que o abandono ocorreu principalmente no momento da melhora clínica, motivado pela percepção equivocada de cura por parte do proprietário. A conclusão deste estudo permitiu conhecer o alto percentual de abandono e óbitos na esporotricose felina, dificultando o seguimento dos casos por longo prazo e enfatizando a importância de investimentos em tratamento e na adesão. Também foi verificada a reativação de lesões em animais considerados curados até um longo período após a alta clínica, sugerindo a possibilidade do fungo se manter latente em cicatrizes e alertando para a necessidade do investimento em protocolos pós-tratamento
Abstract: The present study describes the clinical evolution of cats with sporotrichosis seen at the Laboratory of Clinical Research on Dermat ozoonosis in Domestic Animals (Lapclin - Dermzoo) of the Evandro Chagas Clinical Research Institute (IPEC)/Fiocruz in the period of 1998 and 2005 . One thousand eight hundred and twenty - two medical records were reviewed. Nineteen cats abandoned the follow - up after diagnosis or during the treatment. Four hundred and twenty - nine died . Of the total sample, the telephone contact was possible with 328 ( 18%) owners. Seventy – three (22.4%;n=328) animals were re - evaluated, of which 35 (47,9%) with signs and symptoms of s porotrichosis. In ten (28,5 %) cats, S. schenckii was isolated in culture from lesion swab , in seven (20 %) from nasal swab , in two (5,7% ) from lesion and nasal swabs , in two (5.7 %) through biopsy and in fourteen ( 40%) the diagnosis was clinical. The rea ctivation of the lesions was more common in cats with respiratory signs and symptoms at the moment of the diagnosis of sporotrichosis . Reactivation of the lesions was observed 6 to 7 years after the initial cure in three re - evaluated cases. Of the total nu mber of cats that had abandoned the treatment , it was possible to consult the owners of 147 ( 20.9 %). It was observed that the abandonment occurred mainly at the time of clinical improvement , motivated by the wrong perception of cure by the owner . The concl usion of this study allowed to identify a high rate of abandonment and deaths in feline sporotrichosis, making difficult the follow - up at long - term and emphasizing the importance of investments in treatment and adherence. It was also verified the reactiva tion of lesions in animals considered cured until a long time after clinical discharge, suggesting the possibility of the fungus remain latent in scars and pointing to the need of investment in post - treatment protocols
DeCS: Evolução Clínica
Esporotricose
Recidiva
Gatos
Issue Date: 2011
Citation: Chaves, A. R. Evolução clínica dos casos de esporotricose felina diagnosticados no Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas IPEC/Fiocruz no período de 1998 a 2005. 2011. 64f. Tese (Doutorado em Pesquisa Clínica em Doenças Infecciosas) - Fundação Oswaldo Cruz, Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas, Rio de Janeiro, 2011
Date of defense: 2011
Place of defense: Rio de Janeiro/RJ
Department: Pós-Graduação em Pesquisa Clínica em Doenças Infecciosas
Defense institution: Fundação Oswaldo Cruz. Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas
Program: Programa de Pós-Graduação em Pesquisa Clínica em Doenças Infecciosas
Copyright: open access
Appears in Collections:INI - PCDI - Teses de Doutorado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
adriana_chaves_ipec_dout_2011.pdf6.95 MBAdobe PDFView/Open



FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.