Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/4440
Full metadata record
DC FieldValue
dc.contributor.advisorMinayo, Maria Cecília de Souza
dc.contributor.authorDeslandes, Suely Ferreira
dc.date.accessioned2012-09-05T18:23:55Z
dc.date.available2012-09-05T18:23:55Z
dc.date.issued2000
dc.identifier.citationDESLANDES, Suely Ferreira. Violência no cotidiano dos serviços de emergência: representaçöes, práticas, interaçöes e desafios. 2000. 236 f. Tese (Doutorado em Saúde Pública) - Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2000.
dc.identifier.urihttps://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/4440
dc.description.abstractA tese analisa a interferência cotidiana da violência na dinâmica organizacional dos serviços de saúde, nas representações e práticas dos seus agentes. Os serviços de emergência foram escolhidos porque neles a violência adquire visibilidade e constância, misturando-se ao próprio processo de trabalho e às distintas interações entre profissionais e clientela. O objetivo central foi o de apreender, numa perspectiva compreensiva, o significado e as várias faces que a violência adquire nas múltiplas redes (de trabalho, de poder, ético-morais, organizativas) que se constituem e se reproduzem no cotidiano da assistência. Realizamos uma associação de diferentes abordagens (quantitativa e qualitativa) e técnicas (observação participante, entrevistas e aplicação de questionários), o que possibilitou tanto identificar as concepções, valores, práticas, formas de interação grupais como indicar suas denominadas “áreas internas”. A etnografia foi o caminho metodológico capaz de totalizar esses múltiplos esforços. A violência no cotidiano dos serviços de emergência assume múltiplas formas, como: condições vis de atendimento oferecidas à população; um modelo de atendimento que despersonaliza, ignora e coisifica o usuário; um processo de trabalho que impõe doses consideráveis de sofrimento aos seus trabalhadores; uma demanda de atendimento que, pela gravidade das lesões, vai significar um desafio técnico, uma possibilidade de avanço do conhecimento; uma forma de interação entre profissionais e clientela, quando estes se tornam oponentes, algumas vezes chegando ao confronto corporal; reprodução de preconceitos e estigmas sociais que servirão, muitas vezes, de critérios seletivos para a qualidade da atenção dispensada; omissão de apoio às vítimas da violência que, sabidamente, estarão novamente à mercê das mesmas agressões. Buscamos nas considerações finais adotar uma perspectiva propositiva, revendo os limites de nosso estudo e propondo novas indagações.
dc.language.isopor
dc.rightsopen access
dc.subject.otherViolência
dc.subject.otherServiço Hospitalar de Emergência
dc.subject.otherRelações Hospital-Paciente
dc.subject.otherServiços Médicos de Emergência
dc.subject.otherVítimas de Crime
dc.subject.otherÉtica Médica
dc.titleViolência no cotidiano dos serviços de emergência: representaçöes, práticas, interaçöes e desafios
dc.typeThesis
dc.degree.departmentEscola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca
dc.degree.grantorFundação Oswaldo Cruz
dc.degree.levelDoutor
dc.degree.localRio de Janeiro
dc.description.abstractenThe thesis analyzes the daily interference of the violence in the organizational dynamic of the health services, in the representations and its agents' practices. The emergency departments were chosen because in them the violence acquires visibility and perseverance, being mixed to the own work process and the different interactions between professionals and clientele. The central objective was to apprehend, in an interpretative perspective, the meaning and the several faces that the violence acquires in the multiple nets (of work, of power, ethical-moral, organizationals) that are constituted and reproduced in the daily of the attendance. We accomplished an association of different aproaches (quantitative and qualitative) and techniques (participant observation, interviews and application of questionnaires), what facilitated so much to identify the conceptions, values, practices, forms of groups interactions as to indicate yours denominated "internal" areas. Ethnograpy was the methodological road capable of gathering those multiple efforts. The violence in the daily of the emergency services takes multiple forms, as: vile conditions of attendance offered to the population; an attendance model that dispersonalizes, ignores and sees the user as a thing; a work process that imposes considerable load of suffering to its workers; an attendance demand that, for the gravity of the lesions, it will mean a technical challenge, a possibility of progress of the knowledge; an interaction form between professionals and clientele, when these they become opponents, sometimes arriving to the body confront; reproduction of prejudices and social stigmas that will serve, a lot of times, of selective approaches for the quality of the released attention; support omission to the victims of the violence that will be again at the mercy of the same aggressions. We looked for, in the final considerations, to adopt a propositive perspective, resells the limits of our study and proposes new inquiries.
dc.creator.affilliationFundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
dc.subject.enViolence
dc.subject.enEmergency Service, Hospital
dc.subject.enHospital-Patient Relations
dc.subject.enEmergency Medical Services
dc.subject.enCrime Victims
dc.subject.enEthics, Medical
dc.subject.decsViolência
dc.subject.decsServiço Hospitalar de Emergência
dc.subject.decsRelações Hospital-Paciente
dc.subject.decsServiços Médicos de Emergência
dc.subject.decsVítimas de Crime
dc.subject.decsÉtica Médica
Appears in Collections:ENSP - Teses de Doutorado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
67.pdf2.95 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open



FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.