Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/8005
Full metadata record
DC FieldValue
dc.contributor.advisorFonseca, Vânia de Matos
dc.contributor.authorMatos, Flavia Aparecida Alves de
dc.date.accessioned2014-07-22T13:14:33Z
dc.date.available2014-07-22T13:14:33Z
dc.date.issued2011
dc.identifier.citationMATOS, Flavia Aparecida Alves de. Associação da bioimpedância com critérios de gravidade em uma unidade de terapia intensiva pediátrica. 2011. 103 f. Dissertação (Mestrado em Saúde da Criança e da Mulher)-Instituto Fernandes Figueira, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2011.
dc.identifier.urihttps://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/8005
dc.description.abstractJUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: O presente estudo verifica a existência de associação entre os parâmetros de bioimpedância e variáveis clínicas de interesse para determinação da gravidade do paciente gravemente enfermo, além de compará-los com os valores obtidos de crianças saudáveis. É uma etapa inicial de um projeto cujo objetivo final é validar a bioimpedância como marcador prognóstico ou indicador de gravidade. MÉTODO: Foram avaliados 269 pacientes com bioimpedância medida nas primeiras 48 horas de ventilação mecânica, internados na Unidade de Paciente Graves (UPG) do Instituto Fernandes Figueira (IFF), entre janeiro de 2005 e Junho de 2010. A mensuração foi realizada utilizando-se o pletismógrafo portátil BIA 101 Quantum II (RJL Systems, Estados Unidos) e foi analisada através de suas medidas diretas e também de forma vetorial pelo método gráfico RXc. RESULTADOS: Foi demonstrado que o vetor de bioimpedância se altera em situações de gravidade para pacientes pediátricos. Não apenas valores baixos de ângulo de fase (AF) são observados em situações de gravidade, conforme descrito na literatura para pacientes adultos, mas podem existir desvios heterogêneos do comportamento vetorial. CONCLUSÕES: AF elevado em relação à população também pode ser relacionado com pior prognóstico. Distúrbios hidroeletrolíticos, do metabolismo de membrana celular e da composição corporal podem ter maior impacto sobre os parâmetros bioelétricos do que características demográficas. Assim, o processo de doença desequilibra as características da bioimpedância influenciadas, por exemplo, por idade e sexo. São necessárias investigações adicionais para os pacientes pediátricos quanto ao uso da bioimpedância como ferramenta no diagnóstico, no acompanhamento clínico, orientação terapêutica e como marcador prognóstico.
dc.language.isopor
dc.publisherInstituto Fernandes Figueira
dc.rightsopen access
dc.subject.otherImpedancia Bioeletrica
dc.subject.otherPediatria
dc.subject.otherUnidades de Terapia intensiva Pediatrica
dc.subject.otherVentilação Mecanica
dc.titleAssociação da bioimpedância com critérios de gravidade em uma unidade de terapia intensiva pediátrica
dc.typeDissertation
dc.degree.date2011-03
dc.degree.departmentDepartamento de Ensino
dc.degree.grantorFundação Oswaldo Cruz. Instituto Fernandes Figueira
dc.degree.levelMestrado Acadêmico
dc.degree.localRio de Janeiro/RJ
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher
dc.contributor.advisorcoRamos, Eloane Gonçalves
dc.description.abstractenBACKGROUND AND OBJECTIVES: This study verifies the existence of an association between BIA parameters and clinical variables of interest for determining the severity of critically ill patients, and compare them with those obtained from healthy children. It is an early step in a project whose ultimate goal is to validate BIA as a prognostic marker or indicator of severity. METHODS: We studied 269 patients with bioelectrical impedance measurement in the first 48 hours of mechanical ventilation, admitted to the Critical Patients Unity (UPG) of the Instituto Fernandes Figueira (IFF) between January 2005 and June 2010. The measurement was performed using the portable plethysmograph BIA 101 Quantum II (RJL Systems, USA) and was analyzed by direct measurements and also its vector shape by the graphical method RXC. RESULTS: We demonstrated that the vector of bioimpedance changes in case of severity for pediatric patients. Not only low values of phase angle (PA) are seen in serious conditions, as described in the literature for adult patients, but there may be deviations heterogeneous behavior vector. CONCLUSIONS: AF larger than the population can also be associated with worse prognosis. Electrolyte disturbances, cell membrane metabolism and body composition may have greater impact on the bioelectric parameters of that demographic. Thus, the disease process disrupts the characteristics of bioimpedance influenced, for example, by age and sex. More research for the pediatric patients in the use of bioimpedance analysis as a tool in diagnosis, clinical monitoring, counseling and therapy as a prognostic marker.
dc.creator.affilliationFundação Oswaldo Cruz. Instituto Fernandes Figueira. Departamento de Ensino. Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
dc.subject.enBioelectrical Impedance
dc.subject.enPediatrics
dc.subject.enPediatric intensive Care Units
dc.subject.enMechanical Ventilation
dc.subject.decsImpedância Elétrica
dc.subject.decsPediatria
dc.subject.decsUnidades de Terapia Intensiva Pediátrica
dc.subject.decsRespiração Artificial
Appears in Collections:IFF - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Flavia Aparecida Alves de Matos.pdf963.76 kBAdobe PDFView/Open



FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.