Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/10592
Title: Estratégias moleculares para utilização do vírus da febre amarela como vetor vacinal
Other Titles: Molecular strategies to use the yellow fever virus as a vaccine vector
Advisor: Gil, Laura Helena Vega Gonzales
Members of the board: Gil, Laura Helena Gonzalez Vega
Cordeiro, Marli Tenório
Flores, Eduardo Furtado
Montenegro, Sílvia Maria Lucena
Santos, Maria Alice Varjal Melo
Authors: Queiroz, Sabrina Ribeiro de Almeida
Coadvisor: Marques Júnior, Ernesto de Azevedo
Bertani, Giovani Rota
Bertani, Giovani Rota
Affilliation: Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Aggeu Magalhães. Recife, PE, Brasil.
Abstract: A vacina da febre amarela 17D (YFV-17D) é bastante segura e uma dose única confere imunidade potente e duradoura. Por essas e outras características, diferentes tecnologias têm sido propostas para a utilização da cepa 17D como vetor vacinal. Estratégias promissoras para o desenvolvimento de novas vacinas têm se baseado na construção de quimeras YFV-17D com inserção de seqüências heterólogas e produção em larga escala de replicons empacotados em partículas pseudo-infecciosas (PPIs), no entanto, ainda não existe um consenso da melhor estratégia a ser utilizada para esses fins. O presente estudo teve por objetivo avaliar diferentes estratégias de construção para a utilização do YFV-17D como vetor vacinal. Para isso foram construídos duas quimeras do YFV-17D com inserção de um gene repórter YFP (Yellow Fluorescent Protein) na junção E/NS1 e dois replicons subgenômicos do YFV-17D expressando o gene repórter luciferase. Para a produção de PPIs foi desenvolvida a linhagem HEK-YFV-prM/E-opt. O YFV-YFPSSE revelou instabilidade genética com perda do gene YFP e correlação negativa entre expressão de proteínas virais e do gene repórter. O YFV-YFP-DENV1linker mostrou-se estável geneticamente com expressão eficiente de YFP e proteínas virais, e mostrou-se ser o mais adequado para ser utilizado como vetor viral. Os replicons do YFV-17D mostraram-se funcionais e capazes de expressar eficientemente o gene heterólogo. E, embora a linhagem HEK-YFV-prM/E-opt tenha expressado as proteínas estruturais prM e E eficientemente, poucas partículas pseudo-infecciosas foram produzidas. Diante do exposto, as diferentes estratégias de manipulação genética do YFV avaliadas neste trabalho constituem ferramentas viáveis e aplicáveis ao processo de desenvolvimento de vacinas, havendo, porém, necessidade de otimização dessas estratégias para assegurar maiores segurança e eficácia
DeCS: Vírus da febre amarela/genética
Vacinas sintéticas
DNA recombinante
Replicon
Issue Date: 2011
Publisher: Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães
Citation: Queiroz, Sabrina Ribeiro de Almeida. Estratégias moleculares para utilização do vírus da febre amarela como vetor vacinal. 2011. 113 f. Tese (Saúde pública) - Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Recife, 2011.
Date of defense: Maio 13, 2011
Place of defense: Recife/PE
Defense institution: Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães
Program: Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública
Copyright: open access
Appears in Collections:PE - IAM - PPGSP - Teses de Doutorado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
501.pdf2.74 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.