Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/10665
Title: Modo de ação do biolarvicida Lysinibacillus sphaericus: identificação do epitopo da toxina Binária no receptor Cqm1 e base molecular da seletividade
Other Titles: Mode of action of biolarvicide Lysinibacillus sphaericus: identification of the epitope of the CQM1 Binary toxin receptor and molecular basis of selectivity
Advisor: Silva Filha, Maria Helena Neves Lobo
Melo Neto, Osvaldo Pompílio de
Members of the board: Leal, Nilma Cintra
Genta, Fernando Ariel
Dhalia, Rafael
Lins Neto, Roberto Dias
Silva Filha, Maria Helena Neves Lobo
Authors: Ferreira, Lígia Maria
Affilliation: Fundação Oswaldo Cruz. Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães. Recife, PE, Brasil
Abstract: A toxina Binária (Bin) é o principal fator tóxico da bactéria entomopatógena Lysinibacillus sphaericus e sua ação em Culex quinquefasciatus depende da ligação com receptores no intestino das larvas. Os receptores são as a-glicosidases Cqm1, localizadas no epitélio, ligadas por uma âncora de glicosil-fosfatidilinositol. Larvas de Aedes aegypti são refratárias à toxina, pois, não apresentam receptores funcionais, apesar de apresentarem um gene que codifica a proteína Aam1, com alta similaridade à Cqm1. Devido às lacunas a respeito do espectro de ação da toxina Bin, o objetivo deste estudo foi identificar epitopos de ligação da toxina no receptor Cqm1 e determinar a base molecular da sua ação para estas espécies de vetores. Os resultados obtidos a partir da análise comparativa das proteínas Cqm1 e Aam1 levaram à identificação de um epitopo da toxina Bin no receptor Cqm1, situado uma alça na região N-terminal S129-A312. Este epitopo é composto pelos aminoácidos 155PATGGG160, não conservados em Aam1 (158AETGKL163), e os resíduos 159GG160 são críticos para a ligação com a Bin. A análise da proteína ortóloga Aam1 demonstrou que esta é expressa em larvas de Ae. aegypti, semelhante à Cqm1, porém ela não é capaz de ligar-se à toxina Bin. Uma diferença marcante da proteína Aam1 é sua glicosilação, entretanto, a remoção de carboidratos da proteína não afetou o padrão de ligação à toxina Bin. A análise da Cqm1 mostrou que os glicanos não são necessários para a interação com a toxina Bin e que possivelmente esta proteína não parece ser glicosilada. O estudo mostrou que um pequeno segmento de resíduos da região da proteína Cqm1, com baixa conservação em Aam1, é crítica para a ligação da toxina Bin e sugere que esta poderia ser a causa da refratariedade das larvas de Ae. aegypti. Os resultados deste estudo são relevantes para elucidar a base molecular do modo de ação de L. sphaericus e abrem perspectivas para a busca de outros determinantes moleculares envolvidos neste processo
DeCS: Controle biológico de vetores
Toxinas bacterianas/toxicidade
Culex
Receptores de superfície celular
Resistência a inseticidas
Issue Date: 2014
Publisher: Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães
Citation: Ferreira, Lígia Maria. Modo de ação do biolarvicida Lysinibacillus sphaericus: identificação do epitopo da toxina Binária no receptor Cqm1 e base molecular da seletividade. 2014. 161 f. Tese (Saúde Pública) - Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Recife, 2014.
Date of defense: 2014-03-14
Place of defense: Recife/PE
Defense institution: Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães
Program: Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública
Copyright: open access
Appears in Collections:PE - IAM - PPGSP - Teses de Doutorado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
35.pdf4.09 MBAdobe PDFView/Open



FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.