Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/1264
Title: Estimativas da cobertura de mamografia segundo inquéritos de saúde no Brasil
Other Titles: Estimates of mammography coverage according to health surveys in Brazil
Authors: Viacava, Francisco
Souza Junior, Paulo Roberto Borges de
Moreira, Rodrigo da Silva
Affilliation: Fundação Oswaldo Cruz. Instituto de Comunicação e Informação Científíca e Tecnológica. Laboratório de Informações em Saúde. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Fundação Oswaldo Cruz. Instituto de Comunicação e Informação Científíca e Tecnológica. Laboratório de Informações em Saúde. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Fundação Oswaldo Cruz. Instituto de Comunicação e Informação Científíca e Tecnológica. Laboratório de Informações em Saúde. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Abstract: OBJETIVO: Inquéritos populacionais constituem ferramenta fundamental para monitorar a cobertura de mamografi a e os fatores associados à sua realização. Em inquéritos baseados na população residente em domicílios com telefone as estimativas tendem a ser superestimadas. O estudo teve por objetivo estimar a cobertura de mamografi a com base em pesquisas de base populacional. MÉTODOS: A partir das coberturas por mamografi a em mulheres de 50 a 69 anos, com e sem telefone fi xo, observadas na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2003, calcularam-se as razões entre elas e o respectivo coefi ciente de variação. A razão de cobertura foi multiplicada pela cobertura estimada pelo sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (VIGITEL), permitindo estimar a cobertura entre mulheres sem telefone em 2007. Essas estimativas foram aplicadas à população de mulheres, com e sem telefone, obtidas a partir da PNAD 2006, obtendo-se assim as estimativas fi nais para as capitais. RESULTADOS: Em 2007, para o conjunto das capitais, estimou-se a cobertura de mamografi a em aproximadamente 70%, variando de 41,2% em Porto Velho (RO) a 82,2% em Florianópolis (SC). Em 17 municípios a cobertura foi maior que 60%; em oito, de 50%-60%; e em dois, a cobertura foi inferior a 50%. Em termos absolutos, a diferença entre as coberturas do VIGITEL e as estimadas foi de 6,5% para o conjunto dos municípios, variando de 3,4% em São Paulo (SP) a 24,2% em João Pessoa (PB). CONCLUSÕES: As diferenças nas magnitudes das estimativas da cobertura de mamografi a por inquéritos populacionais são em grande parte refl exo dos desenhos dos estudos. No caso específi co da mamografi a, seria mais apropriado estimar sua cobertura combinando dados do VIGITEL com aqueles de outros inquéritos, que incluam informações sobre mulheres com e sem telefone fi xo, especialmente em municípios de baixa cobertura de telefonia fi xa.
Abstract: OBJECTIVE: Population surveys constitute an essential tool to monitor mammography coverage and factors associated with its performance. Estimates tend to be overestimated in surveys based on the population living in households with a telephone. The study aimed to estimate mammography coverage from population-based surveys. METHODS: Based on mammography coverage levels in women aged between 50 and 69 years, with and without a fi xed telephone line, from the Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2003 (PNAD – 2003 National Household Survey), ratios between these coverage levels and their respective variation coeffi cient were calculated. The coverage ratio was multiplied by the coverage estimated by the Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (VIGITEL – Telephone-based Surveillance of Risk and Protective Factors for Chronic Diseases), enabling coverage in women without telephones in 2007 to be estimated. These estimates were applied to the female population, with and without a telephone, obtained from the PNAD 2006, thus achieving the fi nal estimates for the capitals. RESULTS: In 2007, mammography coverage was estimated at about 70% for the group of capitals, varying from 41.2% in Porto Velho (Northern Brazil) to 82.2% in Florianópolis (Southern Brazil). In 17 cities, coverage was higher than 60%; in eight, between 50% and 60%; and in two, below 50%. In absolute terms, the difference between VIGITEL coverage levels and those estimated was 6.5%, varying from 3.4% in São Paulo (Southeastern Brazil) to 24.2% in João Pessoa (Northeastern Brazil). CONCLUSIONS: Differences in magnitudes of mammography coverage estimates for population surveys are mostly a refl ection of study designs. In the specifi c case of mammography, it would be more appropriate to estimate its coverage by combining VIGITEL data with those from other surveys that include information about women with and without a fi xed telephone line, especially in cities with low fi xed telephone line coverage.
Keywords: Mammography
Health Surveys
Brazil
Telephone interview
keywords: Mamografia
Levantamentos epidemiológicos
Brasil
Entrevista por telefone
Issue Date: 2009
Citation: Rev Saúde Pública 2009;43(Supl 2):117-125
DOI: 10.1590/S0034-89102009000900015
Copyright: open access
Appears in Collections:ICICT - Artigos de Periódicos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
estimativas_de_cobertura_mamografia.pdf682.3 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.