Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/14636
Title: Epidemiologia descritiva da malária no Estado do Piauí, 2002 a 2013
Advisor: Costa, Filipe Aníbal Carvalho
Members of the board: Suárez Mutis, Martha Cecília
Cavalcanti, Maria do Amparo Salmito
Martins, Liline Maria Soares
Gomes, Regis Bernardo Brandim
Amaral, Fabricio Pires de Moura
Authors: Nascimento, Joyce Anny Alves do
Affilliation: Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Abstract: A malária é uma doença infecciosa e parasitária, atualmente mais frequente nas regiões em desenvolvimento, causada pelos protozoários do gênero Plasmodium sendo transmitida por mosquitos do gênero Anopheles. O estado do Piauí faz fronteira com a região amazônica, no entanto não é endêmico para a malária. A epidemiologia da malária no Piauí foi examinada a partir de dados de vigilância epidemiológica, recolhidos do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), de 2002 a 2013. Os dados climáticos foram obtidos no Instituto Nacional de Meteorologia. Foram registrados 484 casos confirmados de malária parasitologicamente, 217 sendo considerados autóctones e 267 casos de malária importados. A taxa de infecção por Plasmodium falciparum entre casos autóctones e importados foi de 13,8% e 34,4%, respectivamente (p <0,001). Casos autóctones foram relatados com maior frequência nos municípios de Campo Largo (32,3%), Buriti dos Lopes (11,5%), Luzilândia (11%), Uruçuí (5,5%) e Porto (3,1%), que estão localizados às margens do Rio Parnaíba, na fronteira com o estado do Maranhão. A maioria dos casos importados tinha como prováveis estados de infecção o Pará (33,7%), o Maranhão (19,1%), o Amapá (4,5%) e o Amazonas (4,1%). Os municípios de Teresina, Floriano, Esperantina e Parnaíba, apresentaram maior frequência de residência da população com malária importada Considerando casos autóctones e importados, a proporção relatada em crianças com idade entre 0-12 anos foi de 18,4% e 3,4%, respectivamente (p <0,001), enquanto a proporção de casos notificados em mulheres foi de 34,6% (n = 75) e 16,9% (n = 45), respectivamente (p <0,001). Enquanto casos importados ocorrem ao longo do ano, 80,2% dos casos autóctones ocorrem de abril a agosto. A média de idade dos casos autóctones foi de 28,8, com desvio padrão de 18, 56, a mediana 27 e a moda 36, enquanto a faixa etária de 21 a 39 anos representou 35,5% dos casos (95% IC 29,1% - 42,24%). A transmissão de malária autóctone parece ser independente da introdução de indivíduos parasitêmicos vindos da Amazônia e apresentar um perfil epidemiológico específico com casos em crianças e mulheres, e uma menor proporção de P. falciparum. A malária autóctone tem um comportamento sazonal, com incidência maior no final do período chuvoso no Piauí, e ao longo dos anos apresentou distribuição espacial bem definida. O Piauí é receptivo e vulnerável à malária, doença que demanda atenção do estado
Abstract: Malaria is an infectious and parasitic disease, currently more common in developing regions, caused by protozoa of the genus Plasmodium and transmitted by mosquitoes of the genus Anopheles. The state of Piaui borders the Amazon region, however is not endemic for malaria. The epidemiology of malaria in Piauí was examined from epidemiological surveillance data gathered from the System for Information of Diseases Notification (SIDN) from 2002 to 2013. Climatic data was obtained at the National Meteorology Institute. Were recorded 484 parasitologically confirmed cases of malaria, 217 being considered autochthonous and 267 imported malaria cases. Rate of infection with Plasmodium falciparum among autochthonous and imported cases was 13.8% and 34.4% respectively (p<0.001). Autochthonous cases were reported more frequently in the municipalities of Campo Largo (32.3%), Buriti dos Lopes (11.5%), Luzilândia (11%), Uruçuí (5.5%) and Porto (3.1%) and are located on the banks of the Parnaíba River, bordering the state of Maranhão. The majority of imported cases had as probable state of infection Pará (33.7%), Maranhão (19.1%), Amapá (4.5%) and Amazonas (4.1%). The cities of Teresina, Floriano, Esperantina and Parnaíba showed higher frequency of residence of the population with imported malaria. Considering autochthonous and imported cases, proportion reported in children aged 0-12 years was 18.4% and 3.4%, respectively (p<0.001), while proportion of cases reported in women was 34.6% (n=75) and 16.9% (n=45), respectively (p<0.001) While imported cases occur throughout the year, 80.2% of autochthonous cases occur from April to August. The average number of cases was 28.8 with a standard deviation of 18, 56 an average of 27 and 36 fashion while the age group 21-39 years accounted for 35.5 % of cases (IC95 % 29, 1% - 42.24 %). Autochthonous malaria transmission appears to be independent of the introduction of parasitemic individuals from Amazonian States and present a specific epidemiological profile with cases in children and women, and a lower proportion of P. falciparum. The autochthonous malaria has a seasonal pattern , with the highest incidence at the end of the rainy season in Piauí, and over the years had well-defined spatial distribution. Piauí is receptive and vulnerable to malaria , a disease state demands attention
DeCS: Epidemiologia
Malária
Vigilância em Saúde Pública
Sistemas de Informação em Saúde
Issue Date: 2015
Citation: NASCIMENTO, Joyce Anny Alves do. Epidemiologia descritiva da malária no Estado do Piauí, 2002 a 2013. 2015. 90 f. Dissertação (Mestrado em Medicina Tropical) - Fundação Oswaldo Cruz, Instituto Oswaldo Cruz, Rio de janeiro, RJ, 2015.
Date of defense: 2015-Jul-10
Place of defense: Teresina/PI
Department: Pós-Graduação em Medicina Tropical
Defense institution: Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Oswaldo Cruz
Program: Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical
Copyright: open access
Appears in Collections:IOC - PGMT - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
joyce_nascimento_ioc_mest_2015.pdf2.48 MBAdobe PDFView/Open



FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.