Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/20204
Title: RADIS - Número 29 - Janeiro
Responsible Institution: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca
Abstract: “Pouca saúde e muita saúva, os males do Brasil são”, dizia o personagem Macunaíma, de Mário de Andrade, em 1928. Oito décadas depois, farmácias e drogarias infestam como formigas as cidades, sem que isso represente mais saúde para os brasileiros. Pelo contrário. Reportagem investigativa de Jesuan Xavier revela que o fenômeno está associado a distorções como ausência de critérios no zoneamento sanitário urbano, venda lucrativa de medicamentos, comércio de outros produtos nos estabelecimentos, auto-medicação, empurroterapia — em que o balconista sugere remédios de que o usuário não necessita — e até mesmo fachada para lavagem de dinheiro e roubo de medicamentos. O desvio de cargas chega a cerca de R$ 15 milhões anuais e, segundo relatório da CPI dos Medicamentos, tem a conivência de fabricantes de remédios para desafogar produtos com validade a vencer. No fim de 2004, propaganda enganosa da indústria de amianto foi condenada pelo Conselho Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária. Ressaltando aspectos econômicos, a campanha dizia que “esta verdade não tem dois lados”. Pois a revista Radis, além de ouvir fabricantes do produto proibido em 42 países e a ser definitivamente banido na Europa em 2005, mostra, em reportagem de Kátia Machado, o outro lado “desta verdade”. O lado humano. Jorge, Rosa, Noêmia, Astrogildo e Dulcelina (que morreu no ano passado) são alguns dos milhares de brasileiros vítimas de doenças como asbestose e câncer de pulmão, resultantes do trabalho e do contato com o amianto em minas de extração, fábricas e tecelagens. Cerca de 300 deles são acompanhados pelo pneumologista Hermano de Castro e pelo biólogo Marcos Menezes, do Centro de Estudos de Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh) da Ensp/Fiocruz. Em consonância com o Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica da França e a Organização Mundial de Saúde, os especialistas asseguram: “O amianto e qualquer de suas variações são cancerígenos”. Atuando na comunicação em saúde desde 1982, o Programa RADIS tem muito prazer em destacar nesta edição a estratégia polifônica da distribuidora VideoSaúde, criada como núcleo de vídeo da Fiocruz há 16 anos, e as comemorações dos 10 anos do Canal Saúde, que realiza trabalho exemplar na defesa do Sistema Único de Saúde e na construção de cidadania. Exceto na propaganda falaciosa, não há verdades de um só lado. E nós estamos do lado da saúde.Rogério Lannes RochaCoordenador do Radis
Issue Date: 2005
Publisher: Fundação Oswaldo Cruz/ENSP
Citation: RADIS: Comunicação e Saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP, n. 29, jan. 2005. 20 p. Mensal.
Copyright: open access
Appears in Collections:RADIS - Comunicação e Saúde - 2005

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2005_Janeiro_29.pdf826.96 kBAdobe PDFView/Open



FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.