Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/20249
Title: RADIS - Número 64 - Dezembro
Responsible Institution: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca
Abstract: Difícil comentar outros temas na revista que precede nossa edição especial de janeiro, com a cobertura da Conferência Nacional de Saúde, que não a própria 13ª. O grande encontro terminou com centenas de propostas e moções aprovadas – varando noites, como sempre – e nossa equipe de reportagem se debruça sobre o material apurado, fotos, entrevistas, documentos e números para sintetizar o que deliberaram milhares de delegados. Mas não há como não antecipar o destaque dado a um conceito: a intersetorialidade nas políticas públicas foi de longe a idéia mais presente nas proposições aprovadas. Felizmente, nesta edição, o conceito está no centro da matéria sobre os determinantes sociais da saúde. Convocados pela OMS, especialistas debateram recomendações de políticas públicas contra as iniqüidades. A análise dos efeitos do modelo de desenvolvimento predominante nos países pobres identificou um padrão de crescimento econômico que inclui condições precárias de trabalho e cortes de investimento público. Tal qual no Brasil. Para ilustrar o desfinanciamento da área social, nada como a “novela” da regulamentação da EC 29, que se arrastava há mais de quatro anos no Congresso Nacional, por relutância do governo em apoiar abertamente projetos apresentados por parlamentares de sua própria base. No último capítulo, um acordo atendeu em parte aos reclamos dos sanitaristas, mas deixou de fora o mais importante parâmetro: o percentual para a saúde de 10% da receita corrente bruta da União. O leitor encontra ainda nesta edição a abordagem de dois temas polêmicos e atuais: a normatização do uso de animais em pesquisas e o debate em torno do filme Tropa de elite, sobre o Batalhão de Operações Policiais Especiais da PM do Rio de Janeiro. O artigo da página ao lado fala da habilidade do ministro da Saúde para lidar com a mídia, pautando novos temas. Na Conferência, ele foi submetido ao assédio de delegados para intermináveis seções de fotos, prestígio que não impediu votação maciça em propostas mais conservadoras do que as que ele vem defendendo. Um tema crucial, porém, continua insuficientemente explorado em sua estratégia de comunicação. Justamente o da intersetorialidade nas políticas públicas, embora seja, sabidamente, uma das bases dos planos de sua administração. Fica, portanto, o convite público ao ministro Temporão para uma entrevista ao RADIS, abordando de maneira profunda a estratégia indispensável para que o Sistema Único de Saúde e a Seguridade Social articulem-se com outras políticas setoriais para melhorar a qualidade de vida da população e construir um desenvolvimento mais humano e com sustentabilidade no país.Rogério Lannes RochaCoordenador do Programa RADIS
Issue Date: 2007
Publisher: Fundação Oswaldo Cruz/ENSP
Citation: RADIS: Comunicação e Saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP, n. 64, dez. 2007. 20 p. Mensal.
Copyright: open access
Appears in Collections:RADIS - Comunicação e Saúde - 2007

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2007_Dezembro_64.pdf2.48 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.