Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/20257
Title: RADIS - Número 66 - Fevereiro
Responsible Institution: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca
Abstract: Na 13ª Conferência Nacional de Saúde, delegados contra a descriminalização do aborto optaram por votar contra a considerar o aborto um problema de saúde pública. Mas nesta revista não há como negar este fato insofismável. Nossa matéria de capa antecipa resultados de ampla pesquisa a ser divulgada, ainda neste semestre, sobre as implicações à saúde da mulher dos abortamentos inseguros no Brasil, que podem chegar a 1,2 milhão dos cerca de três milhões que ocorrem na América do Sul. O estudo mostra também que se trata de grave problema social, na medida em que os riscos são desiguais conforme o nível econômico, a região geográfica e a cor das mulheres. Estudo dinamarquês revelou que cesarianas eletivas antes da 40a semana de gravidez também são um problema de saúde pública. Antes da 37a, por exemplo, acarretam quatro vezes mais problemas respiratórios para os bebês do que os partos normais. No Brasil, que apresenta uma das maiores taxas de cesariana do mundo — chega a 80% dos partos nos hospitais particulares —, esta é uma questão ainda mais grave. Correm risco não apenas as crianças, mas também as mães, com maior probabilidade de infecções, sangramentos e ruptura uterina futura. Outro problema, menor que os acima, também é destaque nesta edição: febre amarela  — a silvestre, pois a forma urbana está erradicada desde 1942 — e o tom alarmista da cobertura na imprensa. A desinformação gerou corrida aos postos de saúde: mesmo quem não precisa exige sua dose de vacina. Para não ficar no lugar comum de que o Brasil é o pior dos mundos, é bom lembrar que nosso imperfeito SUS é um dos poucos sistemas universais de atenção do planeta, junto com, entre outros, os do Canadá, da França, da Inglaterra. Na página ao lado, veja uma resenha sobre o filme SOS Saúde (título original, Sicko), que mostra como o sistema de saúde americano (baseado em planos de saúde privados) deixa sem assistência 47 milhões de cidadãos. Na seção Pós-Tudo, confira artigo sobre como o atual governo pode destruir o admirável Serviço Nacional de Saúde britânico.Rogério Lannes RochaCoordenador do Programa RADIS
Issue Date: 2008
Publisher: Fundação Oswaldo Cruz/ENSP
Citation: RADIS: Comunicação e Saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP, n. 66, fev. 2008. 20 p. Mensal.
Copyright: open access
Appears in Collections:RADIS - Comunicação e Saúde - 2008

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2008_Fevereiro_66.pdf2.36 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.