Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/20268
Title: RADIS - Número 77 - Janeiro
Responsible Institution: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca
Abstract: SIH, SIM, Apac, Vigitel, são muitos os sistemas de informação úteis à compreensão e à intervenção na saúde coletiva. Uma avaliação sobre uso e aperfeiçoamento dessas ferramentas abre a matéria de capa, o que pode assustar o leitor não-iniciado. Mas esta segunda reportagem sobre o encontro internacional de Epidemiologia de Porto Alegre traz importantes resultados das análises dos dados gerados por esses sistemas e de pesquisas demográficas, sobre nutrição, condições de vida, comportamento, ambiente e relações entre mídia e sociedade. Os números alertam: gravidez precoce ou indesejada, desnutrição e obesidade preocupam os especialistas; fumo e álcool são determinantes de agravos à saúde; doenças crônicas não-transmissíveis como cânceres, problemas circulatórios e renais exigem prioridade em financiamento, formação profissional e estratégias de atenção à saúde. Leitores advertem o governo contra armadilhas no combate à dengue e suicídios por depressão causada por agrotóxicos. Lavoura arcaica é o que não falta no Brasil. Súmula mostra que, apesar de promessa em contrário do ministro do Meio Ambiente, o governador de Rondônia financia produção de álcool da cana-de-açúcar, que ocupará 100 mil hectares. Pior: enquanto Brasil e Europa sugerem desmatamento zero no acordo climático mundial, ministro da Agricultura propõe reduzir para 30% o percentual mínimo de floresta preservada nas propriedades da Amazônia, estratégia que, segundo os críticos, visa tornar palatável a diminuição da reserva legal dos atuais 80% para apenas 50%, conforme o projeto “floresta zero” dos ruralistas na Câmara. Pesquisa sobre violência e saúde, que ouviu um de cada 40 policiais militares na capital do Rio de Janeiro, revela que eles oscilam entre medo e agressividade quando vão para a rua, porque estão despreparados, estressados, mal pagos e com baixíssima autoestima. Noutra frente do mundo do trabalho, Executivo, Legislativo e Judiciário brasileiros insistem em não banir o amianto, enquanto morrem os que lidam com a fibra em seu ofício. Promotor do Ministério Público avisa que não é possível trabalhar com saúde focando apenas em direitos individuais, sem entender as políticas públicas e defender a saúde no ambiente e na educação. Num duelo sobre direitos, psiquiatra argumenta contra a reforma psiquiátrica, enquanto gestor diz que a política de saúde mental trouxe avanços éticos e não pode recuar. Polêmica também é a tendência de gestores e acadêmicos reduzirem o conceito de controle social, ou omitirem na lista do que falta ao SUS a maior participação deliberativa de usuários e profissionais. Radis adverte: não é nada fácil, mas ainda há tempo para reduzir a infestação do Aedes no verão. Vale a pena, também, parar de fumar — os benefícios são imediatos. Haja prioridade! Rogério Lannes Rocha Coordenador do Programa RADIS
Issue Date: 2009
Publisher: Fundação Oswaldo Cruz/ENSP
Citation: RADIS: Comunicação e Saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP, n. 77, jan. 2009. 24 p. Mensal.
Copyright: open access
Appears in Collections:RADIS - Comunicação e Saúde - 2009

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2009_Janeiro_77.pdf6.95 MBAdobe PDFView/Open



FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.