Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/20274
Title: RADIS - Número 83 - Julho
Responsible Institution: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca
Abstract: Uma das contribuições do RADIS, há 27 anos, tem sido abrir espaço para o debate que aperfeiçoe a Reforma Sanitária e o Sistema Único de Saúde. Em temas como farmácias populares, fundações estatais de direito privado e, agora, as unidades de pronto-atendimento (UPAs), as divergências não opõem defensores e detratores do SUS, mas os seus próprios construtores. Por que alguém seria contra uma unidade de saúde que funciona 24 horas, inclusive fins de semana, tem consultórios de pediatria, clínica médica e odontológica, salas de nebulização, sutura, raios-x, laboratório e farmácia que entregam exames e remédios na hora e uma ambulância para levar pacientes graves a hospitais? Pois o que parece salvação para o usuário pode subverter e fazer regredir a lógica do sistema de atenção pensado para melhor promover saúde, asseguraram os críticos. UPAs têm problemas: entrega da gestão a grupos privados em São Paulo, serviços de ortopedia desativados no Rio, força de trabalho contratada com vínculos precários, demora no atendimento de casos menos graves. A maior preocupação, porém, compartilhada até por alguns que defendem as UPAs, é que a lógica do atendimento de urgência se sobreponha à da atenção básica. Os críticos afirmam também que os investimentos nas UPAs concorrem com outro maior na rede básica, que deveria ser qualificada e funcionar em horários compatíveis com a atenção integral à população, inclusive nos fins de semana. A matéria de capa traz opiniões dos dois lados e de usuários de uma unidade carioca. Cristovam Buarque, em aula inaugural, quer que educação e conhecimento movam o Brasil. Curso da Ensp e do Ipea destaca desigualdade fundada na escravidão e subfinanciamento das políticas públicas. Secretários municipais alertam que a União reduz sua participação no custeio da saúde e que o projeto de reforma tributária no Congresso prejudica a Seguridade Social e o SUS. Na semana em que a 1ª Conferência Nacional de Saúde Ambiental foi anunciada para dezembro e que o “prontuário” ambiental e trabalhista das propriedades entrou nos critérios de desapropriação para reforma agrária, o Senado – incrível! – aprovou, sob protestos, a “MP da grilagem”, que torna regular a ocupação irregular e venda de terras da União na Amazônia. Enquanto isso, a onda de judicialização da saúde atinge injustamente Gastão Wagner, figura pública ilibada e admirada, referência teórica e ética para gerações de sanitaristas brasileiros e latino-americanos, secretários de Saúde e os próprios jornalistas desta revista, que protestam: Alto lá! Rogério Lannes Rocha Coordenador do Programa RADIS
Issue Date: 2009
Publisher: Fundação Oswaldo Cruz/ENSP
Citation: RADIS: Comunicação e Saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP, n. 83, jul 2009. 24 p. Mensal.
Copyright: open access
Appears in Collections:RADIS - Comunicação e Saúde - 2009

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2009_Julho_83.pdf4.41 MBAdobe PDFView/Open



FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.