Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/20291
Title: RADIS - Número 100 - Dezembro
Responsible Institution: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca
Abstract: Na capa, os leitores. No meio da revista, as capas. Nossa matéria principal traz o relato de leitores com diferentes perfis sobre o uso que fazem da Radis. Em encarte especial, você está recebendo um pôster com a reprodução das 100 capas da nossa, da sua revista. Lançamos o primeiro número da revista Radis há oito anos, iniciando ali a contagem daquela que, na verdade, era a 168ª publicação editada pelo Programa RADIS, criado em 1982 com uma ideia então inovadora, e ainda atual: colocar informação a serviço da emancipação popular na luta por saúde e — vivíamos sob a ditadura militar — por democracia. Radis incorporou e ampliou os conteúdos e perfis editoriais das re-vistas Súmula e Tema, que circulavam cerca de duas a seis vezes por ano, da revista Dados e do Proposta — o jornal da Reforma Sanitária —, ambos fora de circulação desde meados dos anos 1990. Trouxe projeto editorial e gráfico novo, periodicidademensale um maior volume de páginas com conteúdo jornalístico de qualidade por ano. Tornou-se disponível na internet no primeiro dia de cada mês e desdobrou-se em mais informações semanais na rede. A nova revista refletiu uma reformulação profissional e de gestão em curso no Programa desde 2001, cuja produção editorial recebeu, em 2002, cinco dos sete primeiros lugares no Prêmio Opas de Jornalismo em Saúde, comemorativo dos 100 anos da Organização Pan-Americana da Saúde. Dos atuais 72 mil exemplares, 40 mil vão para assinantes novos, que representam novos atores a engrossar a luta da saúde coletiva nas escolas, no serviço, nos conselhos de saúde, em todo o país. Esta centésima edição comemora o trabalho de equipes de reportagem que passaram por nossa redação nos últimos anos, honrando a história dos profissionais que mantiveram o RADIS vivo nas décadas anteriores, com a coerência de um jornalismo crítico, investigativo, aberto ao debate de diferentes correntes de pensamento, comprometido com a defesa de que o Estado cumpra sua obrigação constitucional frente à saúde da população. É também uma oportunidade para agradecer aos profissionais administrativos do RADIS e da Ensp e aos dirigentes da Ensp e da Fiocruz que acreditarameviabilizarama sustentabilidade do Programa e suas publicações. Estamos comemorando, principal­mente, o uso que a sociedade faz dessas informações e o exercício de seu direito de comunicar, inclusive por meio desta revista, para assegurar seu legítimo direito à saúde. Não aquela para poucos e restrita ao lugar de paciente (passivo) de parcos procedimentos exclusivamente médico-hospitalares, superada como modelo de saúde pública pela Constituição de 1988. Mas aquela grande saúde sonhada e formulada pelos pioneiros da Reforma Sanitária, de conceito abrangente que inclui qualidade de vida e condições dignas de trabalho, moradia, lazer, seguridade social; ações intersetoriais; cujo sistema dá ênfase à atenção primária e a um cuidado integral e humano para todos, com equidade. Ambiente em que o cidadão é sujeito da atenção à sua saúde e a da coletividade, com voz ativa, participando, regulando o que é público e para o público, transformando democraticamente a realidade e a vida social. Nossas publicações vieram se pautando por uma visão que gradualmente foi deixando para trás a matriz de difusão e transmissão de informações, que pressuporia um público passivamente receptor, para realçar a importância do diálogo entre os saberes científico e popular. Ao longo de sua história, o RADIS vem dando cada vez mais espaço à fala dos diversos setores da sociedade e segmentos em conflito nas questões da saúde. Além da presença do contraditório, a revista Radis teve nessas 100 edições inúmeras matérias propostas e orientadas pelos leitores. As formas de usar e retrabalhar as informações são as mais diversas, como relatam alguns dos depoimentos de nossa matéria de capa. Nessa trajetória, outra questão que se impôs foi a participação de nossas equipes nos debates e na construção do campo conceitual da Comunicação e Saúde, que já mereceu grandes matérias e tem espaço cativo na revista. Esta edição traz a contribuição de diversos especialistas sobre a importância da comunicação na garantia do direito à saúde. Contamos também um pouco dos bastidores da redação onde se busca tornar possível outro tipo de jornalismo, quenãoooficial — chapabranca — e, menos ainda, o que se pauta pelas práticas da mídia comercial e dos interesses de mercado e do capital. Uma possibilidade que se completa quando o leitor torna-se interlocutor presente, um comunicador. Estamos de portas abertas. Seja sempre bem-vindo à revista Radis! Rogério Lannes Rocha Coordenador do Programa RADIS
Issue Date: 2010
Publisher: Fundação Oswaldo Cruz/ENSP
Citation: RADIS: Comunicação e Saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP, n. 100, dez. 2010. 36 p. Mensal.
Copyright: open access
Appears in Collections:RADIS - Comunicação e Saúde - 2010

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2010_Dezembro_100.pdf7.6 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.