Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/20298
Title: RADIS - Número 107 - Julho
Responsible Institution: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca
Abstract: A conceituada revista inglesa The Lancet registrou para a comunidade internacional a experiência brasileira de construção de um sistema único e universalizado de saúde. Artigos de 30 pesquisadores analisam a situação epidemiológica do país, incluindo as melhorias na saúde materno-infantil, os sucessos e desafios no combate às doenças infecciosas e crônicas, os impactos individuais e coletivos da violência. O desafio da saúde brasileira é político, de articulação entre governos e sociedade e de revisão das relações que subordinam o público ao privado, alertam os autores. “A idealização do SUS tem raízes numa concepção de saúde integral, solidária, humanitária, democrática e que não seja objeto de leis do mercado” afirma Rita de Cássia, leitora da Radis, aproximando os que defendem a saúde da população. Ela levou para importante site jornalístico o debate sobre a invisibilidade do SUS, mobilizando dezenas de comentários. O 5º Congresso Brasileiro de Ciências Sociais e Humanas em Saúde, na USP, em abril, destacou a produção de conhecimento sobre a relação entre indivíduo e sociedade. Cecília Minayo, pesquisadora da Fiocruz, defende saúde e ambiente entrelaçados. Para ela, uma ciência interdisciplinar deve buscar diminuir o sofrimento da humanidade, fazer a interface do campo biomédico com Sociologia, Antropologia, Economia e Comunicação. Especialistas consideram a comunicação como  problema em si. É necessário, dizem, superar a visão instrumental da Comunicação e percebê-la como campo teórico com muito a contribuir. Na Fiocruz, discussões no campo da Comunicação e Informação culminaram com a adesão da Ensp aos protocolos de acesso livre à informação e ao conhecimento científico em saúde. Livre também é a exploração do trabalho pelo capital, quando não enfrentada. A revolta de trabalhadores nas obras da usina de Jirau, em Rondônia, revelou que as mega empreiteiras brasileiras são capazes de submeter trabalhadores a condições indignas. Alojamentos inadequados, falta de equipamentos de segurança, tempo para comer insuficiente, jornadas extenuantes e sem pagamento de horas extras e agressões físicas estão entre as irregularidades encontradas pelo Ministério Público. “O estado brasileiro está organizado para atender o andar de cima”, descreve Marcio Pochmann, presidente do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), ao analisar o comportamento das instituições públicas financeiras, tributárias, universitárias, jurídicas e de logística num projeto nacional de crescimento. Para contribuir com as políticas públicas que instaurem um novo tipo de desenvolvimento, o Ipea realiza estudos que vão da percepção da população sobre a atenção à saúde às mudanças de tempo e espacialidade do trabalho em todo o mundo. Enquanto isso, o Congresso Nacional ultrapassa todas as barreiras nas concessões aos predadores da natureza, na votação do novo Código Florestal, colocando em risco patrimônio que nem à humanidade pertence. Como a saúde, é um bem que ultrapassa o que é humano e abrange o planeta e todo o ambiente cósmico. Rogério Lannes Rocha Coordenador do Programa RADIS
Issue Date: 2011
Publisher: Fundação Oswaldo Cruz/ENSP
Citation: RADIS: Comunicação e Saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP, n. 107, jul 2011. 36 p. Mensal.
Copyright: open access
Appears in Collections:RADIS - Comunicação e Saúde - 2011

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2011_Julho_107.pdf6.09 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.