Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/20308
Title: RADIS - Número 117 - Maio
Responsible Institution: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca
Abstract: Após meses abordando questões macroeconômicas e determinações sociais, e às vésperas de mergulharmos nos debates da Rio+20 sobre desenvolvimento sustentável e saudável, Radis se volta para um momento ímpar na existência humana: o nascimento de uma criança — da gravidez ao parto e os cuidados com a mulher e com o bebê. Ficou ausente na reportagem a valiosa função da paternidade. Destacamos o protagonismo da mulher frente aos procedimentos induzidos por centralidade na medicalização, redução de custos e um pragmatismo da cultura atual. Dois dos três milhões de partos anuais no Brasil são realizados pelo SUS — 52% por meio de cesarianas. Na rede privada a situação é ainda pior, 82%, a grande maioria desnecessariamente, aumentando em sete vezes o risco de morte da mãe. Não há como desconsiderar também o atraso — em oposição à orientação e ao planejamento familiar — das leis restritivas brasileiras, que impedem a redução do aborto inseguro e suas complicações, responsáveis por um quarto das causas de morte materna. Um acompanhamento pré-natal de qualidade é essencial também para a criança, que tem sua saúde prejudicada pela prematuridade induzida por cesarianas eletivas. Cada profissional de saúde tem papel relevante antes, durante e depois do parto. Em junho, chefes de Estado vão esquadrinhar na Rio+20 um mundo distanciado da essencialidade corporal, afetiva e presencial, e condicionar seu futuro ao crescimento econômico, à regulação do mercado e à soberania do capital. Então, antes que venham as ressalvas tecnocráticas, justificativas de custo e conveniências financeiras ou geopolíticas, para que o modelo predatório de desenvolvimento continue como está ou pintado de verde, nos dediquemos ao texto de Elisa Batalha e às fotos de Marina Boechat. Nos concentremos por um momento no pequeno Enzo, nascido diante das repórteres, e em sua mãe Juliana, uma tímida e simpática trabalhadora, acolhidos numa maternidade de Belo Horizonte. Enzo, como qualquer criança em cada canto do planeta, quer exercer sua essencialidade humana e social de vincular-se afetivamente, comunicativamente, à sua mãe, seu pai, ao Outro — que somos nós e o mundo em que habita. Que nossa opinião sobre as exigências da sustentabilidade — já que não a dos governantes nem a do mercado — tenha como referência a preservação e a promoção desse vínculo profundo. Esta é a síntese da Comunicação. Esta é a síntese da Saúde.  Rogério Lannes Coordenador do Programa RADIS
Issue Date: 2012
Publisher: Fundação Oswaldo Cruz/ENSP
Citation: RADIS: Comunicação e Saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP, n. 117, maio 2012. 24 p. Mensal.
Copyright: open access
Appears in Collections:RADIS - Comunicação e Saúde - 2012

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2012_Maio_117.pdf2.56 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.