Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/20373
Title: RADIS: Comunicação e Saúde, número 174, março
Responsible Institution: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca
Abstract: – Oi, Coelho!– Oi, Rato!– Você ficou com a capa, né?– Nas páginas centrais, só você aparece!– É minha contribuição para cuidar da vida das pessoas.– Como assim?– Camundongos e ratos como eu representamos 98% dos animais utilizados em pesquisas para salvar vidas com vacinas e remédios. Os humanos também são cobaias, mas na etapa seguinte, a dos testes clínicos.– E quem cuida da gente?– Eles, quer dizer, os pesquisadores sérios, que estão de olho no nosso bem-estar, na diminuição da nossa participação nos experimentos e na nossa substituição por métodos alternativos.– Li no jornal que tem gente culpando e perseguindo macacos por causa da febre amarela.– Ignorância. Os pesquisadores explicam que os macacos são os primeiros a serem picados e, quando adoecem, são um alerta natural de presença da febre amarela silvestre. Uma matéria nesta revista fala tudo sobre o surto da doença. Tem que acabar com o desequilíbrio ambiental e cuidar do saneamento nas cidades.– Os humanos não cuidam deles mesmos?– Sim, quer dizer, deveriam. Tem a sociedade e o Estado, que eles criaram para cuidar de todos, assegurar direitos, tipo saúde, educação, condições de vida, moradia, segurança, trabalho digno, proteção social. Mas eu leio na Radis, que defende a saúde, que, na realidade, a vida não é saudável para a maioria dos humanos neste país. Eles elegem os governos para isso, mas nem sempre acontece.– O quê? As eleições?– Também. Mas nem sempre cuidam. Usam o dinheiro para os que já têm muito dinheiro, banqueiros, empresários, fazendeiros...– Jura? Ninguém reclama?– Se reclamar corre o risco de apanhar na rua, ou ir para a prisão, onde também não cuidam de ninguém e não se importam se todos se matarem. Uma crueldade.– Mas quem trabalha direitinho, fica quietinho, tem aposentadoria e respeito, né?– Nem tanto, se ninguém reclama, a vida piora. A economia é organizada para faltar emprego e o trabalhador não poder reclamar. Muita gente dos governos e na sociedade não cuida direito dos velhos, discrimina as mulheres, os negros e os pobres. Eu li na revista que há um esgar... “esgarçamento” das relações sociais, muito ódio e intolerância. E um descompromisso dos governos com os trabalhadores. A pessoa contribui a vida inteira e mudam a regra da aposentadoria para ela trabalhar mais e ganhar menos na velhice. Se chegar lá... E ainda colocam a culpa nos próprios trabalhadores, por conseguirem viver um pouquinho mais.– Não diga! Mas... os humanos inventaram a História. Tem sempre alguém que ensina os erros do passado para eles não repetirem.– Só que os governantes desse país aprenderam direitinho. Até o estudo da História, eles tiraram das escolas dos jovens, onde não querem nem que se discuta gênero, raça e políticas públicas. E a mídia ajuda a esconder a realidade, a não contar esta história.– Cara, isso é um retrocesso, um desmonte do pouco que eles tinham. Uma destruição! E ninguém vai resistir?
keywords: Animais de Laboratório
Tecnologia de Pesquisa
Febre Amarela
Reurbanização
Saúde do Idoso
Pesquisa Biomédica
Ética em Pesquisa
DeCS: Animais de Laboratório
Febre Amarela
Saúde do Idoso
Pesquisa Biomédica
Ética em Pesquisa
Issue Date: 2017
Publisher: Fundação Oswaldo Cruz/ENSP
Citation: RADIS: Comunicação e Saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP, n. 174, mar. 2017. 36 p.
Copyright: open access
Appears in Collections:RADIS - Comunicação e Saúde - 2017

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2017_Março_174.pdf5.9 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.