Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/25657
Title: Visceral leishmaniasis in Rio de Janeiro, Brazil: eco-epidemiological aspects and control
Other Titles: Leishmaniose visceral no Rio de Janeiro, Brasil: aspectos eco-epidemiológicos e controle
Authors: Marzochi, Mauro Celio de Almeida
Fagundes, Aline
Andrade, Moacir Vieira de
Souza, Marcos Barbosa de
Madeira, Maria de Fátima
Confort, Eliame Mouta
Schubach, Armando de Oliveira
Marzochi, Keyla Belizia Feldman
Affilliation: Fundação Oswaldo Cruz. Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas. Laboratório de Vigilância em Leishmaniose. Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Fundação Oswaldo Cruz. Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas. Laboratório de Vigilância em Leishmaniose. Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Secretaria Municipal de Saúde. Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Fundação Oswaldo Cruz. Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas. Laboratório de Vigilância em Leishmaniose. Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Fundação Oswaldo Cruz. Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas. Laboratório de Vigilância em Leishmaniose. Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Fundação Oswaldo Cruz. Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas. Laboratório de Vigilância em Leishmaniose. Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Fundação Oswaldo Cruz. Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas. Laboratório de Vigilância em Leishmaniose. Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Abstract: Entre 1977 (caso índice) e 2006 foram confirmados 87 casos de leishmaniose visceral no Município do Rio de Janeiro, oriundos de áreas peri-urbanas das vertentes continentais e litorâneas do Maciço da Pedra Branca e das vertentes continentais do Maciço do Gericinó. A maioria (65,5%) dos pacientes tinha mais de 5 anos de idade, prevalecendo o sexo masculino (61,5%), sem diferença de freqüência entre os sexos até os 14 anos. A letalidade foi de 10,4%. Houve dois casos de co-infecção por leishmaniose visceral/vírus da imunodeficiência. Leishmania chagasi foi isolada de casos humanos e caninos. Presença de flebotomíneos associada a migrações humanas e caninas, ocupação desordenada degradando áreas de preservação ambiental e baixas condições socioeconômicas podem ter criado o contexto propício à instalação e à propagação da endemia. Vigilância epidemiológica estreita com as medidas tradicionais de controle e outras - busca ativa de pacientes, limpeza de terrenos e educação em saúde -, reduziram a incidência de casos humanos de 2,8 por 100 mil habitantes em 1981 para menos de 0,01 por 100 mil a partir de 1997. As taxas de infecção canina decresceram de 4,6% em 1984 para 1,6% em 2008. Lutzomyia longipalpis não foi detectada em algumas localidades onde ocorreram casos humanos e caninos. Em 2007 e 2008, nenhum novo caso da doença humana foi notificado, mas permanece uma preocupante prevalência sorológica residual canina.
Abstract: From 1977 (index case) to 2006, 87 cases of visceral leishmaniasis were confirmed in the municipality of Rio de Janeiro, Brazil, in periurban areas on the continental and coastal slopes of the Pedra Branca massif and the continental slopes of the Gericinó massif. The majority (65.5%) of the patients were more than five years old, predominantly males (61.5%), but without any difference between the sexes below the age of 14 years. The overall fatality rate was 10.4%. Two cases of visceral leishmaniasis/human immunodeficiency virus coinfection were detected. Leishmania chagasi was isolated from human and canine cases. The associations between the presence of phlebotomines and human and canine migrations, disorderly occupation involving degradation of environmental preservation areas and poor socioeconomic conditions may have created a favorable setting for the establishment and propagation of the disease. Close epidemiological surveillance associated with traditional control measures and others (active case researches, land clearing and health education), reduced the incidence of human cases from 2.8 per 100,000 inhabitants in 1981 to less than 0.01 per 100,000 since 1997. The canine infection rates decreased from 4.6% in 1984 to 1.6% in 2008. Lutzomyia longipalpis was not detected in some locations where human and canine cases occurred. In the years 2007 and 2008, no new human cases were reported, but there is a persistent and worrisome residual canine seroprevalence.
Keywords: Visceral Leishmaniasis
Eco-Epidemiology
Environmental Factors
Control
Rio de Janeiro
keywords: Leishmaniose Visceral
Eco-Epidemiologia
Fatores Ambientais
Controle
Rio de Janeiro
DeCS: Leishmaniose Visceral
Issue Date: 2009
Publisher: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical
Citation: MARZOCHI, Mauro Celio de Almeida et al. Visceral leishmaniasis in Rio de Janeiro, Brazil: eco-epidemiological aspects and control. Rev. Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v.42, n.5, p.570-580, 2009
DOI: 10.1590/S0037-86822009000500017
ISSN: 0037-8682
Copyright: open access
Appears in Collections:ENSP - Artigos de Periódicos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
VisceralLeshmaniasis.pdf674.82 kBAdobe PDFView/Open



FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.