Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/25662
Title: Inquérito Nacional de Prevalência da Esquistossomose mansoni e Geo-helmintoses
Authors: Katz, Naftale
Affilliation: Fundação Oswadlo Cruz. Instituto René Rachou. Belo Horizonte, MG, Brasil
Abstract: Este Inquérito de Prevalência da Esquistossomose e das Geo-helmintoses, realizado no Brasil, é o primeiro com abrangência em todos os estados da Federação. Trata-se de estudo de corte transversal, de base populacional, com o objetivo de conhecer a situação atual da esquistossomose, da tricuríase, da ancilostomíase e da ascaridíase, em escolares de 7 a 17 anos, de ambos os sexos. Para a seleção da amostragem foram consideradas quatro regiões epidemiológicas: (i) - área endêmica para esquistossomose com mais de 500.000 habitantes de 16 Unidades Federadas (UF); (ii) - área endêmica com menos de 500.000 habitantes de 12 UF; (iii) - área não endêmica para esquistossomose, constituída por municípios com população inferior a 500.000 habitantes de 26 UF e, (iv) - área não endêmica com mais de 500.000 habitantes de 14 UF. Foram examinados 197.564 escolares residentes em 521 municípios, ou seja, 96,1% do planejado, nas 27 Unidades de Federação e no Distrito Federal. Em nove estados, o percentual de exames realizados variou de 60% a 80%; em seis entre 80% e 100% e em nove estados foi superior ao planejado. Nos Estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul, a adesão variou de 19% a 37%, comprometendo a representatividade amostral. Para a esquistossomose, os resultados mostraram que as macrorregiões Nordeste e Sudeste apresentaram os maiores índices de positividade, sendo de 1,27% e 2,35%, respectivamente. Na macrorregião Norte, a positividade foi de 0,01%, na Centro-Oeste de 0,02% e na Sul, nenhum caso foi diagnosticado. Nas áreas endêmicas para esquistossomose, a proporção de positivos foi de 0,27% e 3,28% nos municípios com mais ou menos de 500.000 habitantes, respectivamente. Nas áreas não endêmicas, com mais de 500.000 habitantes, a positividade para S.mansoni foi de 0,05% e, nos municípios com menos de 500.000 habitantes, de 0,13%. Os estados que apresentaram as maiores proporções de positivos, nos municípios com população até 500 mil habitantes, estavam localizados em Sergipe (10,67%), Pernambuco (3,77%), Alagoas (3,35%), Minas Gerais (5,81%) e Bahia (2,91%). Chama a atenção os municípios com mais de 500.000 habitantes localizados no Rio de Janeiro (2,80%) em Pernambuco (2,48%) e em Sergipe (2,28%). Com exceção do Espírito Santo (1,02%), nos outros estados a proporção de positivos foi menor que 0,5%. No Brasil foram encontrados 194.900 escolares negativos e 2.664 eliminando ovos de S. mansoni. A proporção de positivos foi de 0,99% (IC95% - 0,20 a 1,78). Em relação às geo-helmintoses, foram encontrados 5.192 escolares com ovos de ancilostomídeos nas fezes, dando uma proporção de positivos de 2,73% (IC95% - 1,98 a 3,49). As maiores taxas encontradas na região Norte foram no Pará (7,21%), Tocantins (6,06%) e Amazonas (3,14%). Nos outros estados desta região, as taxas fi caram em torno de 1%. Na região Nordeste, os estados com maior positividade foram o Maranhão (15,79%), Sergipe (6,62%), Paraíba (5,09%) e Bahia (4,23%). Nos outros estados desta região, a positividade fi cou abaixo de 2%. No resto do país, a proporção de positivos fi cou abaixo de 1%, sendo que do Rio de Janeiro até o Rio Grande do Sul, esta proporção foi de 0,5%. A distribuição da ascaridíase e tricuríase guardam semelhança. Foram encontrados 11.531 escolares com Ascaris lumbricoides, ou seja, 6,00% (IC95% - 5,05 a 6,96). Nas regiões Norte e Nordeste foram encontradas as maiores taxas de positividade: Amazonas (19,14%), Maranhão (17,49%), Alagoas (14,26%), Sergipe (12,86%) e Pará (11,78%). Nos outros estados destas regiões, a positividade girou em torno de 5%, com exceção da Roraima (0,71%) e Rondônia (0,88%). No Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina em torno de 5%, em Minas Gerais 1,43% e, no Espírito Santo 2,73%. Para a tricuríase a taxa de positividade foi de 5,41% (IC95% - 4,06 a 6,77), isto é, 10.654 escolares positivos. As maiores proporções de positivos estão nas regiões Norte e Nordeste: Amazonas (21,79%), Pará (20,65%), Sergipe (16,99%) e Alagoas (15,04%). Para os estados do Amapá, Acre, Maranhão, Rio Grande do Norte, Paraíba, Bahia, Pernambuco, Rio de Janeiro, Paraná e Santa Catarina em torno de 5% e nos outros estados em torno de 2% .Para a região Centro-Oeste, exceção do Mato Grosso, a taxa esteve em torno de 0,1%. Comparando-se os dados deste inquérito com os dos dois realizados no Brasil, sendo o primeiro por Pellon & Teixeira (1949-53) e o segundo pelo Programa Especial de Controle da Esquistossomose (1975- 78), podemos ver que a queda da prevalência das parasitoses em questão é grande. De fato, considerando- se os dados encontrados nestes três inquéritos em 11 estados endêmicos para esquistossomose, a positividade caiu de 10,09% para 9,24% e atualmente está em 1,79%. Em relação as geo-helmintoses, a diminuição é ainda maior. No primeiro inquérito de Pellon & Teixeira, a proporção de positivos na região Norte, Nordeste e em Minas Gerais variou de 80% a 100%, estando este índice atualmente, muito abaixo do encontrado anteriormente. Apenas para exemplificar, no Maranhão, a proporção dos escolares positivos para geo-helmintos era de 99,4% e atualmente encontra-se em torno de 20%. Já em Minas Gerais, cuja taxa era de 89,4%, neste último inquérito foi de 1,4% para Ascaris, 0,9% para ancilostomídeos e, 0,6% para Trichuris. Como possíveis causas para o decréscimo de positividade dessas parasitoses, podemos destacar a urbanização, trazendo como o seu correlato, o saneamento, isto é, o abastecimento de água domiciliar e esgoto que teve um crescimento expressivo nesse periodo. Devemos levar em conta também, os milhões de tratamentos específicos, que vem sendo realizados há décadas no Brasil, com medicamentos de baixa toxicidade, que produzem poucos efeitos colaterais, usados em dose única, por via oral e que tem baixo custo. Seguramente, estes fatores foram importantes para a diminuição da morbimortalidade, da prevalência e da intensidade de infecção destas parasitoses. Os resultados deste Inquérito, que retratam a situação atual da esquistossomose e das geo-helmintoses em nosso país, devem ser usados para o planejamento de políticas, visando a eliminação destas parasitoses como doenças de saúde pública, com o objetivo de alcançar o bem estar da população brasileira, através do término da iniquidade e do aumento da justiça social.
Keywords: schistosomiasis
keywords: Esquistossomse
Geo-helmintoses
Prevalência
Escolares
Issue Date: 2018
Publisher: Centro de Pesquisa René Rachou
Citation: KATZ, Naftale.Inquérito Nacional de Prevalência da Esquistossomose mansoni e Geo-helmintoses. Belo Horizonte: CPqRR, 2018. 76 p.
Copyright: open access
Appears in Collections:MG - IRR - Livros Publicados

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Inquérito Nacional de Prevalência da Esquistossomose mansoni e Geo-helmintoses.pdf3.29 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.