Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/31042
Title: A institucionalização da vacina antivariólica no Império Luso-brasileiro nas primeiras décadas do Século XIX
Advisor: Fonseca, Maria Rachel de G. Froes da
Authors: Portugal, Fillipe dos Santos
Affilliation: Fundação Oswaldo Cruz. Casa de Oswaldo Cruz. Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Abstract: A dissertação tem como objetivo reconstituir historicamente o processo de introdução da vacinação antivariólica no Brasil e em Portugal, do início do século XIX até o ano de 1835. Pretendemos estudar os debates médicos que circundavam a prática da vacinação antivariólica, analisando a complexidade de sua inserção e institucionalização em ambos os países. Em Portugal analisamos a trajetória da Instituição Vaccinica da Academia Real das Sciencias de Lisboa que foi criada em 1811 com o objetivo de disseminar a vacina por todo o território português. Esta iniciativa funcionou vinculada à Academia Real das Sciencias de Lisboa até o ano de 1835. Analisamos, ainda em relação ao contexto português, uma série de ações e iniciativas adotadas para a disseminação e aceitação da vacina, nas quais a Igreja Católica e o alto escalão do governo foram atores fundamentais. No cenário do Brasil, nas primeiras décadas do século XIX, analisamos o papel da Junta da Instituição Vaccinica da Corte, criada em 1811 na cidade do Rio de Janeiro com o objetivo de disseminar a vacina na então Corte do Rio de Janeiro. A instituição se firmou como um serviço público e regular, ao longo da década de 1820, e seus resultados fizeram com que se vislumbrasse a possibilidade de se disseminar a vacina por todo o Império do Brasil. As iniciativas de se ampliar e regularizara prática de vacinação por todo o território imperial enfrentaram uma série de percalços, que incluiu problemas financeiros, a negligência das Câmaras Municipais e a pouca aceitabilidade da vacina. A resistência à vacina chegou a provocar um movimento de revolta, no ano de 1832, na Comarca de Paracatú, na então província de Minas Gerais.
Abstract: The aim of this dissertation is to reconstitute the process of introduction of smallpox vaccination in Brazil and Portugal from the beginning of the 19th century until the year 1835. We intend to study the medical debates surrounding the practice of smallpox vaccination, analyzing the complexity of its insertion and institutionalization in both countries. In Portugal we analyzed the trajectory of the Instituição Vaccinica da Academia Real das Sciencias de Lisboa that was created in 1811 with the aim of disseminating the vaccine throughout the Portuguese territory. This initiative was linked to the Royal Academy of Sciences in Lisbon until the year 1835. We also analyzed, in relation to the Portuguese context, a series of actions and initiatives adopted for the dissemination and acceptance of the vaccine, in which the Catholic Church and the upper echelon of government were key players. In Brazil, in the first decades of the nineteenth century, we analyzed the role of the Junta da Instituição Vaccinica da Corte, created in 1811 in the city of Rio de Janeiro with the aim of disseminating the vaccine in the Court of Rio de Janeiro. The institution established itself as a public and regular service throughout the 1820s, and its results made it possible to see the possibility of disseminating the vaccine throughout the Brazilian Empire. Initiatives to expand and regularize vaccination practice throughout the imperial territory faced a series of mishaps, including financial problems, the negligence of the City Councils and the low acceptability of the vaccine. Resistance to the vaccine led to a revolt in 1832 in the County of Paracatú, in the province of Minas Gerais.
keywords: Vacina Antivariólica
Império Luso-brasileiro
DeCS: Vacina Antivariólica/história
História da Medicina
História do Século XIX
Brasil
Portugal
Issue Date: 2018
Citation: PORTUGAL, Fillipe dos Santos. A institucionalização da vacina antivariólica no Império Luso-brasileiro nas primeiras décadas do Século XIX. 2018. 190 f. Dissertação (Mestrado em História das Ciências e da Saúde) - Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2018.
Date of defense: 2018
Place of defense: Rio de Janeiro
Department: Casa de Oswaldo Cruz
Defense institution: Fundação Oswaldo Cruz
Program: Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde
Copyright: open access
Appears in Collections:COC - PPGHCS - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
dissertao_felipe_portugal.pdf3.08 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.