Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/3475
Title: A atuação de odontopediatras frente aos casos de maus-tratos contra crianças e adolescentes no município do Rio de Janeiro
Advisor: Assis, Simone Gonçalves de
Authors: Campos, Paulo Cesar Moreira
Affilliation: Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Fernandes Figueira. Departamento de Ensino. Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher. Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Abstract: A violência familiar contra criança e o adolescente apenas recentemente se tornou objeto de atuação para as Políticas Públicas. O Estatuto da Criança e do Adolescente torna obrigatória a notificação de casos suspeitos ou confirmados de maus-tratos contra crianças e adolescentes, estando todos os profissionais que lidam com estes a fazê-lo, incluíndo os de saúde. O cirurgião-dentista deve estar capacitado para identificar casos de crianças ou adolescentes vítimas de maus-tratos, oferecer os cuidados dentários de emergência que sejam necessários e notificar as autoridades competentes. O objetivo deste estudo foi o de identificar e analisar a visão dos odontopediatras frente aos casos de violência contra crianças e adolescentes, com o intuito de traçar um perfil de atuação destes profissionais.A metodologia foi a qualitativa sendo para isto feito um estudo seccional. Foi calculada uma AAS e enviados pelo correio 279 questionários, sendo devolvidos 123. Os resultados encontrados indicam que dos profissionais consultados 104 pertenciam ao sexo feminino e 15 ao masculino. Mais da metade dos profissionais tem mais de 40 anos, a maioria tem mais de 15 anos de formado e grande parte dos profissionais se especializou nas décadas de 90 e 80. Dos que trabalham no setor privado predomina os que atuam de forma autônoma e seus locais de trabalho se concentram na Zona Norte e Zona Sul.Um número expressivo de profissionais nunca recebeu informações sobre violência familiar contra crianças e adolescentes e 21 buscaram suprir esta deficiência em periódicos.Quanto a suspeita de que algum paciente tivesse sido vítima de violência familiar 44 dos entrevistados afirmaram já terem vivenciado tal situação e 23 haviam feito o diagnóstico. A conduta de notificar todos os casos suspeitos e confirmados foi a opção escolhida por 15 profissionais. Concluiu-se que a ausência ou insuficiência de informações sobre como atuar frente a casos de maus-tratos contra crianças e adolescentes pode ser a responsável, pela falta de uma conduta padrão diante destes casos, seja com relação às vítimas e as suas famílias, bem como em relação ao encaminhamento do caso, tendo familiaridade apenas com alguns sinais clínicos e comportamentais. Portanto é preciso solucionar esta deficiência possibilitando que os odontopediatras atuem como elo de ligação entre vítimas e serviços de proteção à infância bem como uma maior inserção destes em equipes multidisciplinares que lidam com esta problemática.
DeCS: Maus-Tratos Infantis
Violência
Odontopediatria
Issue Date: 2005
Publisher: Instituto Fernandes Figueira
Citation: CAMPOS, Paulo Cesar Moreira. A atuação de odontopediatras frente aos casos de maus-tratos contra crianças e adolescentes no município do Rio de Janeiro. 2005. 72 f. Dissertação (Mestrado em Saúde da Criança e da Mulher)-Instituto Fernandes Figueira, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2005.
Date of defense: 2005
Place of defense: Rio de Janeiro/RJ
Department: Departamento de Ensino
Defense institution: Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Fernandes Figueira
Program: Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher
Copyright: restricted access
Appears in Collections:IFF - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
000154.pdf1.77 MBAdobe PDFThumbnail
    Request a copy



FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.