Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/3582
Title: Classificação e evolução dos pacientes com artrite idiopática juvenil
Advisor: Elsas, Maria Ignez Capella Gaspar
Oliveira, Sheila Knupp Feitosa de
Authors: Almeida, Rozana Gasparello de
Affilliation: Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Fernandes Figueira. Departamento de Ensino. Prgrama de Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher. Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Abstract: O objetivo deste trabalho foi descrever a evolução clínica dos pacientes com diagnóstico de artrite idiopática juvenil acompanhados em um servio de reumatologia pediátrica. Foi realizado um estudo descritivo retrospectivo de crianças com diagnóstico de artrite idiopática juvenil com no mínimo 3 anos, classificados de acordo com os critérios da ILAR como AIJ oligosrticular, poliarticular FR-, poliarticular FR+, sistêmica, ARE e psoriásicaA amostra constou de 197 casos, com predominância do sexo feminino, relação de 1,3:1. Os subtipos de AIJ de maior freqüência foram o subtipo oligoarticular (36 por cento), o subtipo sistêmico (34 por cento), e o subtipo poliarticular FR- (24,5 por cento). A idade média no início das manifestações clínicas de AIJ foi de 62 mais ou menos 42,3 meses. O diagnóstico foi realizado em média após 8,4 mais ou menos 14,9 meses, mediana de 2 meses.O tempo de acompanhamento médio teve média de 80 mais ou menos 37,1 meses mediana de 73 meses. Sete pacientes permaneceram com a doença ativa durante todo o período de acompanhamento. Ocorreram em média 2,1 episódios de doença ativa e inativa por paciente. A remissão clínica com medicação ocorreu em 137 pacientes e a remissão clínica sem medicação ocorreu em 117 pacientes. O tempo médio gasto pelos pacientes no estado de doença inativa atingiu 54,5 por cento do período de acompanhamento, sendo 8,8 por cento em RCM e 25,8 por cento em RSM. Na última consulta, 94 pacientes (47,7 por cento) se encontravam em remissão sem medicação. Cerca de 7 por cento dos pacientes apresentaram incapacidade funcional grave na última consulta.Este estudo avaliou a evolução clínica dos pacientes com AIJ usando os critérios entre os subtipos e dentro de um mesmo subtipo. A classificação pelos critérios da ILAR pode não ser suficiente para se obter grupos uniformes, pensamos então que a análise do perfil genético destes pacientes pode representar um caminho para aprimorar esta classificação.
Abstract: The goal of this study was to describe the clinical outcomes observed in patients with juvenile idiopathic arthritis (JIA) during a follow-up period in a brazilian pediatric rheumatology service. To do so, we carried out a retrospective, descriptive study of children diagnosed as juvenile idiopathic arthritis, with atleast 3 years of follow-up and diagnosis, classified by The International League of Associations for Rheumatology (ILAR) criteria as oligoarthritis, rheumatoid factor (RF) negative polyarthritis, RF positive polyarthritis, systemic-onset JIA, enthesitis-related arthritis and psoriatic arthritis. One hundred and ninety seven cases fulfilled the inclusion criteria, with a female:male ratio of 1.3:1. The most frequently subgroups of AIJ were the oligoarthritis (36%), the systemic-onset JIA (34%),and the RF negative polyarthritis (24.5%). The medium age in the beginning of the clinical manifestations of AIJ was of 62±42.3 months. The diagnosis was made on average after 8.4±14,9 months (median 2 months). The mean time of follow-up was 80±37.1, median of 73 months. Seven patients presented the active pattern during the entire period of follow-up. An average of 2.1 episodes of inactive disease occurred by patient. The clinical remission on medication occurred in 137 cases and the clinical remission off medication occurred in 117 cases. The medium time spent by the patients in the state of inactive disease reached 54.5% of the period of follow-up, being 8.8% in clinical remission on medication and 25.8% in clinical remission off medication. Around 7% of the patientshad severe disability in the last visit. In conclusion, this study evaluated the outcome of patients with JIA using the criteria proposed in 2004 by Wallace and collaborators. The results identified variability in evolution between subgroups as well as within subgroups, suggesting that the classification by the criteria of the ILARfails to obtain homogeneous groups. This reinforces the need to complement thisclassification by further phenotypic and genotypic analysis.
DeCS: Artrite Reumatoide Juvenil
Artrite
Evolução Clínica
Issue Date: 2008
Publisher: Instituto Fernandes Figueira
Citation: ALMEIDA, Rozana Gasparello de. Classificação e evolução dos pacientes com artrite idiopática juvenil. 2008. 99 f. Dissertação (Mestrado em Saúde da Criança e da Mulher)-Instituto Fernandes Figueira, Rio de Janeiro, 2008.
Date of defense: 2008-03
Place of defense: Rio de Janeiro/RJ
Department: Departamento de Ensino
Defense institution: Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Fernandes Figueira
Program: Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança
Copyright: restricted access
Appears in Collections:IFF - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
000225.pdf1.12 MBAdobe PDFThumbnail
    Request a copy



FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.