Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/8038
Title: A força e o vigor da mulher idosa rural: estudo etnográfico sobre envelhecimento em Dom Modesto, Caratininga-MG
Advisor: Minayo, Maria Cecília de Souza
Authors: Kullok, Alcione Tavora
Affilliation: Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Fernandes Figueira. Departamento de Ensino. Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Abstract: O envelhecimento é um processo universal e o crescimento da população idosa tem chamado a atenção de diferentes setores da sociedade com repercussões sócio-econômicas em nível individual e coletivo. No Brasil, onde os dados censitários revelam uma crescente urbanização do país e um componente de mulheres idosas cada vez maiores em relação aos homens, esse estudo propôs a abordar os processos do envelhecimento das mulheres em dois campos de discussão: o envelhecimento na perspectiva de gênero e a condição rural. O estudo não tem a pretensão do produzir uma analise cultural totalizante, mas de conhecer e registrar as histórias dessas idosas, num contexto rural, muitas vezes esquecido-se da sociedade e do poder público. A metodologia utilizada foi a etnografia, ou seja, fui viver, conviver e registrar os fatos do cotidiano e seus significados através da reinterpretação de 27 idosas com idades acima de sessenta anos até 92 anos. Através de observações participantes, participantes observações, entrevistas, grupos de “causos”, pude tomar ciência de que, embora pareça uma tendência da sociedade atual homogeneizar os espaços geográficos descaracterizando-os de suas referências naturais, e (re) caracterizando-os com referências produtivas e econômicas, as culturas locais permanecem. O Distrito de Caratinga, denominado Dom Modesto onde o trabalho etnográfico foi realizado, mantém suas particularidades e muitas vezes pude senti-las como um processo contra-hegemônico das tendências massificantes: trata-se de um espaço bastante fechado e com seus códigos próprios. Em muitos momentos senti-me excluída, não por ser uma pesquisadora, mas por não ser nativa: foi difícil o processo de imersão nesse terreno distante de minha vida social. Lá, as terras são vendidas entre os familiares. Como em toda a sociedade, o contexto estudado possui uma estratificação social e geográfica, as fazendeiras idosas moram nos Córregos e as ex-ajudantes ou meeiras, no núcleo do Distrito (vila). Todas as idosas participantes professam o catolicismo. Pude comparar suas histórias com o que diz o meu acervo bibliográfico, e dentro do contexto estudado, encontrei certas idosas como verdadeiras protagonistas de algumas obras literárias. Observei a quase inexistência das grades etárias e os acontecimentos demarcados por elas como uma linha da vida quase seqüencial. Pude visualizar e rever traços de paradigmas da Antiguidade que ainda persistem em imutável e infindável repetição e desigualdades perenes e naturalizadas da divisão sexual do trabalho tanto nos processos de produção como de reprodução dessas mulheres rurais. Pude ver um rural decadente na monocultura do café e o seu renascimento na horticultura familiar. Mas pude constatar também que as idosas participantes estão todas ativas, não com o vigor da juventude, mas cada uma com sua particularidade e em seu tempo, não se consideram velhas. Os vocábulos “idoso” e “terceira idade” nesse contexto não são muito reconhecidos, pois são palavras utilizadas pelo povo da rua[cidade]. Já o termo “véia [velha]” não é visto como uma conotação pejorativa e sim como uma etapa natural da vida. As construções e reconstruções sociais, a todo o momento estiveram presentes nesse estudo, numa circularidade dinâmica em que as idosas não temem e nem vêem a morte como um fim, mas como uma passagem. Mas nem por isso a desejam. Esperam e pedem a Deus mais alguns anos de vida, porém com independência e autonomia, pois sua perda sim, é considerada a morte em vida.
Abstract: Growing old is a universal process and the increase of the elderly population has caught the attention of different areas of society with socioeconomic repercussions on an individual and collective level. In Brazil, where census data reveal a growing urbanization in the country and a bigger proportion of elderly women over men, this study proposes to approach the process of growing old for women in two fields of discussion: the aging process in a perspective of genre and rural condition. The study does not have the ambition of producing a totalizing cultural analysis, but to know and register the history of these elderly women, in a rural context, often forgotten by the society and the government. The methodology used was ethnography, which means I lived and registered the facts of their daily life and their meaning through the interpretations of 27 elderly women ranging from 60 years old to 92. Through participatory observation, interviews and groups, I became aware that, although it seems like a tendency of today’s society to homogenize the geographic spaces, depriving them of their natural references and characterizing them with productive and economic references, the local culture prevails. The District of Caratinga, called Dom Modesto where the ethnographic research was done, keeps its particularities and I could feel them several times as a counter-hegemonic of the massifying tendencies: it is a closed off space with its own codes. During several moments, I felt left out, not for being a researcher, but for not being a native: the immersion process was hard in this place so distant from my social life. There, the land is sold among family members. As throughout society, the context studied has a social and geographic stratification, the elderly female farmers live in the Córregos and the ex-helpers in the village. Every elderly woman participating is catholic. I could compare their stories with my bibliographic collection and, within the context being studied, I found certain ladies like real heroes of some of the literary works. I observed a near inexistence of age groups and the events marked by them are almost like a sequential life line. I could see traces of an ancient era that still prevails in unchangeable and endless repetition, and enduring and naturalized inequalities of work gender division in both reproduction and production processes with these rural women. I could see a countryside lacking in coffee monoculture and its rebirth in homegrown horticulture. However, I could also see that these elderly ladies are all active; maybe not with the energy of youth, but each one with their own particularity and time, they don’t consider themselves old. The terms “elderly” and “seniors” in this context are not really recognized because they are generally used by people in the city. The term “véia” (oldie) is not seen with a pejorative connotation, but as a natural phase in life. The social constructions and reconstructions have been present at all times in this study, in a dynamic circularity in which the elderly women don’t fear nor see death as an end, but as a passage. But that doesn’t mean they wish for it. They hope and ask God for a few more years of life, but with independence and autonomy, for their loss is considered death in life.
Keywords: Rural Anthropology
Aging
Elderly Woman
keywords: Antropologia Rural
Envelhecimento
Mulher Idosa
DeCS: Antropologia Cultural
Antropologia Física
Envelhecimento
Saúde do Idoso
Issue Date: 2012
Publisher: Instituto Fernandes Figueira
Citation: KULLOK, Alcione Tavora. A força e o vigor da mulher idosa rural: estudo etnográfico sobre envelhecimento em dom modesto, Caratininga-MG. 2012. 226 f. Tese (Doutorado em Saúde da Criança e da Mulher)-Instituto Fernandes Figueira, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2012.
Date of defense: 2012-03
Place of defense: Rio de Janeiro/RJ
Department: Departamento de Ensino
Defense institution: Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Fernandes Figueira
Program: Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher
Copyright: open access
Appears in Collections:IFF - Teses de Doutorado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Alcione Tavora Kullok.pdf880.85 kBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.