Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/14056
Title: Remédio se aprende na escola: um estudo sobre as demandas escolares num ambulatório de saúde mental
Other Titles: Remedy you learn in school: a study on school demands a mental health hospital
Advisor: Castiel, Luis David
Matta, Gustavo Corrêa
Authors: Paula, Igor Juliano de
Affilliation: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Abstract: O processo de medicalização funciona como um dispositivo sociocultural no qual uma série de agentes da mídia, pesquisadores, profissionais de saúde e de ensino utilizam tecnologias que se apoderam dos amplos conflitos, sociais, políticos, econômicos e subjetivos para transformá-los em questões de ordem médica através de um discurso especialista. No campo da saúde mental infanto-juvenil, assistimos a um recrudescimento destes fenômenos na patologização do fracasso escolar. O diagnóstico do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) possibilita transformar manifestações como a hiperatividade e desatenção na sala de aula em um transtorno mental com prognóstico que afeta o desempenho acadêmico, as habilidades sociais, e a capacidade de escolha da criança. O TDAH surge como estratégia de medicalização da aprendizagem para normatizar comportamentos indesejados socialmente e fomentar o ilusório projeto social, político e econômico da cultura neoliberal de construção de subjetividades cerebralmente formatadas, que se auto gerenciem e que prescindam das proteções do Estado. O presente estudo tem como objetivo analisar os procedimentos terapêuticos de profissionais de saúde mental infantil de um ambulatório do município de Guapimirim (RJ) como possível resistência a uma demanda das escolas por avaliação de saúde ocasionada por manifestações infantis de desatenção, hiperatividade e impulsividade (sintomas principais do TDAH). Foram realizadas pesquisa documental em prontuários de crianças com perfis selecionados e entrevistas semiestruturadas para os profissionais de saúde. Observou-se que diante desta demanda escolar, não foram problematizados pelos profissionais de saúde os comportamentos, motivadores da queixa,identificados como disfuncionais pela escola. Desta forma, os procedimentos de saúde parecem ser resultado de uma interpretação de que a criança é portadora de uma questão médica cujas intervenções terapêuticas vão ser nela centralizadas sem considerar o contexto sociocultural da aprendizagem. Além disso, as prescrições parecem figurar como uma continuidade das leituras medicalizantes da escola sobre o incômodo comportamento infantil.
Abstract: The medicalization process works as a sociocultural device in which a number of mediaagencies, researchers, health professionals and scholars take hold of social, political,economic and subjective conflicts and turn them in medical issues, through a health specialist interpretation and jargon in the field of children's mental health, we witness a resurgence of this phenomenum in the attempts to pathologize school failure. The diagnosis of Attention Deficit Hyperactivity Disorder (ADHD) transform events such as hyperactivity and inattention in the room class into a mental disorder whose prognosis affects academic performance and social skills. Accordingly, ADHD emerges as a strategy to regulate social lyundesirable behavior and encourage the illusory neoliberal political and economic social project of building brain-formatted subjectivity, with self-managed performance and independent of State. This study aims to examine whether the therapeutic procedures in of achild mental health clinic in the city of Guapimirim (RJ) could be operating as a resistance by school personnel against the need for health assessment for children manifesting inattention, hyperactivity and impulsivity (main symptoms of ADHD). The study was performed by the evaluation of medical records of children with selected profiles, and by semi-structured interviews applied to health professionals. We observed that the potential motivators of the behaviours identified by the schools as problematic were not explored with the teaching staffor with the families. Thus, health procedures seem to be the result of an interpretation that thechild carries a medical issue, upon which interventions should be centered. In addition, therapeutic prescriptions seem to represent a consequence of the medicalized interpretation ofthe school about child behavior.
Keywords: School medicalization
Medicalization of children
Learning medicalization
Attention Deficit
Hyperactivity Disorder
keywords: Medicalização escolar
Medicalização de crianças
Medicalização da aprendizagem
Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade
DeCS: Medicalização
Criança
Transtornos de Aprendizagem
Transtorno do Deficit de Atenção com Hiperatividade
Issue Date: 2015
Citation: PAULA, Igor Juliano de. Remédio se aprende na escola: um estudo sobre as demandas escolares num ambulatório de saúde mental. 2015. 154 f. Dissertação (Saúde Pública) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro, 2015.
Place of defense: Rio de Janeiro
Defense institution: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca
Copyright: open access
Appears in Collections:ENSP - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
77.pdf1.22 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.