Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/16173
Title: Vivências de maternidade no contexto das políticas públicas em hanseníase
Authors: Almeida, Suellen Santos Lima de
Savassi, Leonardo Cançado Monteiro
Schall, Virgínia Torres
Modena, Celina Maria
Affilliation: Fundação Oswaldo Cruz. Centro de Pesquisas René Rachou. Belo Horizonte, MG, Brasil
Fundação Oswaldo Cruz. Centro de Pesquisas René Rachou. Belo Horizonte, MG, Brasil
Fundação Oswaldo Cruz. Centro de Pesquisas René Rachou. Belo Horizonte, MG, Brasil
Fundação Oswaldo Cruz. Centro de Pesquisas René Rachou. Belo Horizonte, MG, Brasil
Abstract: As políticas de controle da hanseníase adotadas no século passado, baseavam-se no isolamento e na segregação dos doentes. As medidas de profilaxia realizadas através do isolamento compulsório, não consideravam as relações sociais dos indivíduos acometidos pela doença, fazendo com que laços familiares fossem desfeitos. A separação das crianças de seus pais logo após o nascimento, sob a crença de que o contato com a mãe poderia transmitir a doença foi uma das medidas preventivas adotadas neste período. Assim, as mulheres que foram portadoras da hanseníase, durante grande parte do século XX, não tiveram a possibilidade de exercer o papel materno, uma vez que a dedicação e o cuidado dirigidos aos filhos esbarraram nas políticas isolacionistas adotadas pelo Estado para conter a hanseníase. Este estudo, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (FAPEMIG), buscou compreender as vivências de maternidade em um hospital colônia no período da internação compulsória. Utilizou-se a pesquisa narrativa descrita por Dutra (2000), em que o sujeito conta os fatos, acontecimentos e afetos que percorrem sua trajetória existencial possibilitando uma aproximação de suas vivências. Foram entrevistadas três mulheres ex-hansenianas que viveram o período de internação compulsória em um hospital colônia de Minas Gerais. A compreensão das narrativas se baseou no referencial metodológico da análise existencial de Viktor Frankl (1984). Observou-se que as mães relatam suas vivências de maternidade em dois momentos: um caracterizado pela separação dos filhos, que foram levados para o preventório, e outro caracterizado pela volta desses filhos para casa ou pela adoção de crianças. Considera-se que a maternidade, papel tão esperado por essas mulheres, caracterizou-se como uma vivência traumática, uma vez que não pôde ser exercida durante os primeiros anos de vida dos filhos. Na busca pelo papel de mãe, as entrevistadas encontraram em uma nova gravidez ou na adoção a possibilidade dar sentido à vida, de encontrar o sentido de ser-mãe. A escuta dessas mulheres é fundamental para se refletir sobre a dimensão humana dos ideais higienistas que orientaram as políticas publicas de saúde em hanseníase.
keywords: Maternidade
Hanseníase
Sentido
Issue Date: 2011
Citation: ALMEIDA, S. S. L. de et al. Vivências de maternidade no contexto das políticas públicas em hanseníase. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICOLOGIA HOSPITALAR, 8., 2011, Curitiba. Resumos Eletrônicos... Curitiba: Sociedade Brasileira De Psicologia Hospitalar, 2011, p. 112.
Copyright: open access
Appears in Collections:MG - IRR - Anais de Congresso

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
SUELLEN_ALMEIDA_et_al_CPqRR_2011.pdf117.97 kBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksBibTex Format mendeley Endnote DiggMySpace

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.